Coluna 1

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Mais de 20 mil profissionais vão trabalhar na segurança no dia das eleições

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) coordenará, junto com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), um gabinete integrado com representações de todos os órgãos de segurança que farão parte da operação para as eleições 2014. 

Participam do esquema representantes do Exército Brasileiro, polícias Civil e Militar, Polícia Federal e Guarda Municipal e da área de trânsito. Ao todo, cerca de 20 mil profissionais de segurança trabalharão no Estado durante as eleições.

Segundo o secretário adjunto de Gestão Operacional da Segup, Mário Solano, neste ano o Estado trabalhará com um efetivo maior de policiais. “Em 2012, tivemos o apoio federal em 76 municípios, que receberam reforço da tropa do Exército. 

Este ano o Pará solicitou reforço para apenas 56 municípios, pois com o resultado dos recentes concursos, aumentamos o efetivo das polícias Civil e Militar. Além disso, esta será a primeira vez que teremos delegados nomeados em todos os municípios paraenses atuando durante as eleições”, explica.

Solano também aponta a importância do trabalho integrado com as demais equipes de segurança. “Além dos nossos policiais civis e militares, o trabalho integrado com os demais órgãos dará ao cidadão a garantia do seu direito ao voto. 

Faremos o possível para possibilitar esta grande festa da democracia”, detalha o secretário adjunto, informando que o gabinete integrado começará a funcionar a partir do dia 3 de outubro, no TRE, e será coordenado pelo coronel Mario Solano e pelo presidente do tribunal, Leonardo de Noronha Tavares.

Cobertura – A Polícia Civil fechou nesta segunda-feira (22) o planejamento para o primeiro turno das eleições deste ano, no próximo dia 5 de outubro. No dia do pleito, atuarão mais de três mil policiais civis nas delegacias nos 144 municípios do Pará. 

Ao todo, 73 cidades do interior do Estado, que não contam com as presenças do Exército Brasileiro e da Polícia Federal, receberão 222 policiais civis, entre delegados, escrivães e investigadores, oriundos da capital.

O reforço irá se somar aos policiais civis e militares que trabalham nessas cidades, para garantir a segurança da população local e das pessoas que se deslocarem aos municípios para votar. O mesmo efetivo de reforço será usado se houver segundo turno. 

Os policiais civis empregados na operação "Eleições", da Polícia Civil, são lotados nas diretorias de Atendimento a Grupos Vulneráveis, de Polícia Especializada, de Polícia do Interior e de Polícia Metropolitana.

No dia do pleito, todas as unidades da Polícia Civil, como delegacias, seccionais urbanas e divisões especializadas, funcionarão em regime normal de trabalho, para atender às demandas de ocorrências. 

A instituição policial terá atuação suplementar no acompanhamento das ocorrências policiais, já que os procedimentos de crimes eleitorais são de competência da Polícia Federal.

A delegada geral adjunta, Christiane Ferreira, que fará parte da coordenação da operação, explica que nas cidades em que houver ou não a presença da Polícia Federal, as delegacias da Polícia Civil estarão de prontidão, no dia do pleito, para fazer os procedimentos de flagrante, se houver, e encaminhar os processos para a Justiça Eleitoral. 

“Se houver necessidade, as delegacias receberão mais reforços de policiais civis”, detalha.
Diego Andrade - Secretaria de Estado de Comunicação
Agência Pará de Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário