Coluna 1

sábado, 27 de setembro de 2014

PT teria usado dinheiro da Petrobrás em 2010

O ex-ministro Antonio Palocci teria pedido a Paulo Roberto da Costa, ex-diretor da Petrobras, R$ 2 milhões para a campanha de Dilma Rousseff à Presidência em 2010. 

Conforme depoimentos dados por Paulo Roberto a policiais federais e procuradores, na época Palocci era coordenador da campanha de Dilma e o dinheiro viria da "cota do PP" na Petrobras. O relato está na edição da revista Veja deste fim de semana.

De acordo com a publicação, Paulo Roberto acionou o doleiro Alberto Yousseff para providenciar a "ajuda". O ex-diretor da Petrobras, no entanto, não deu certeza se o pedido foi atendido e disse que Palocci não voltou a procurá-lo.

A revista diz ainda que Yosseff pode trazer mais detalhes sobre o episódio e esclarecer se o dinheiro foi, de fato, repassado. Nesta semana, o doleiro acertou com o Ministério Público detalhes sobre sua delação premiada. O suposto esquema de corrupção ligado à diretoria de Abastecimento da Petrobras, alvo atual de investigações, arrecadava, de acordo com a revista, propinas de até 3% do valor dos contratos assinados por grandes empresas com a estatal.

Palocci nega pedido
O ex-ministro e coordenador da campanha de Dilma em 2010, Antonio Palocci, afirmou, de acordo com a revista, "que conhece Paulo Roberto Costa, mas ''em momento algum fez a ele pedido de qualquer natureza''". 

Palocci afirmou ainda que não se encontrou com Paulo Roberto em 2010 e que não era o responsável pelo caixa da campanha.

Em nota à Veja, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o tesoureiro da campanha em 2010 era o deputado federal licenciado José de Filippi e que "todas as doações eleitorais recebidas pela campanha foram relacionadas na prestação de contas dirigida ao TSE".
msn/Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário