Coluna 1

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Após morte de servidora, PMs são afastados do trabalho

A Divisão de Homicídios, da Polícia Civil do Pará já instaurou inquérito para apurar as circunstâncias do homicídio da servidora pública da Receita Federal Dayse do Socorro de Almeida e Cunha, 51 anos, morta durante uma troca de tiros entre policiais e bandidos no bairro da Terra Firme, em Belém, na madrugada desta quinta-feira (30). 

José Roberto Mourão, de 18 anos, já foi preso e confessou participação no sequestro. A Corregedoria da Polícia Militar já afastou os policiais militares envolvidos na ação. Em depoimento, José afirmou que foi chamado por outros dois suspeitos para sequestrar a vítima no bairro da Pedreira. 

A informação inicial foi de que o veículo da vítima, que estava em poder dos bandidos, era utilizado para praticar assaltos em via pública na noite de ontem. Com o acusado, a polícia ainda encontrou um revólver calibre 38 com três munições disparadas. A arma teria sido usada pelo acusado durante a troca de tiros com os policiais militares. 

A primeira perícia realizada pelo Centro de Perícias Renato Chaves no local do crime revelou que a vítima foi baleada duas vezes e que os tiros teriam vindo de fora para dentro do carro.  Segundo informações do site Agência Pará, a corregedoria da Polícia Militar acompanha as investigações e já determinou a abertura de procedimento apuratório.  As armas usadas pelos policiais já foram apreendidas para serem encaminhadas à perícia técnica e os mesmos afastados do serviço operacional. 

Pesar 
Em nota,  a Receita Federal do Brasil lamentou a morte da servidora. 'A Receita Federal do Brasil manifesta profundo pesar pelo falecimento da servidora Dayse do Socorro de Almeida e Cunha. Dayse, que atualmente estava lotada na Alfândega do Aeroporto Internacional de Belém, faleceu na noite de ontem, dia 29. A Receita Federal do Brasil expressa suas condolências e solidariedade aos familiares e amigos', finaliza a nota.

A vítima era irmã de André Cunha, superintendente da Susipe (Superintendência do Sistema Penal do Pará). Dayse era funcionária da Receita Federal e trabalhava na Alfândega do Aeroporto Internacional de Belém, além de ser membro da diretoria do Sindicato dos Analistas Tributários - Sindireceita.
 ORM News com informações da Agência Pará

Um comentário:

  1. Despreparo da Polícia. Deveriam agir com mais prudência em caso de perseguições.

    ResponderExcluir