Coluna 1

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Programa Mais Médicos chega a 36 municípios do Pará

O Ministério da Saúde divulgou ontem quinta-feira (9), em Brasília, mais um balanço do programa Mais Médicos para o Brasil, mostrando que 69% das vagas oferecidas na região Norte foram preenchidas por profissionais formados no Brasil. Aderiram à iniciativa 113 cidades, onde foram ofertadas 409 vagas. 

Até o final desta etapa do programa, 83 municípios nortistas receberam médicos e 283 profissionais assumiram os postos deficitários em regiões carentes. No Pará, 54 municípios se inscreveram, 236 vagas foram autorizadas e 36 municípios receberam médicos. 

Chegaram ao Estado 153 profissionais com CRM Brasil, um total de 65% de vagas preenchidas. Em todo o País, profissionais brasileiros preencheram 92% das vagas autorizadas pelo Programa Mais Médicos para 2015, totalizando 3.830 profissionais em 1.208 municípios e seis Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei), segundo o Ministério da Saúde.

As vagas remanescentes estarão disponíveis entre hoje e 20 de abril para brasileiros formados no exterior. Caso tenham a inscrição validada, os candidatos escolherão os municípios nos dias 29 e 30 de abril. Persistindo vagas, médicos estrangeiros poderão se inscrever entre 5 e 15 de maio. O módulo de acolhimento para os profissionais está previsto para 8 de junho e o início das atividades começa a partir de 7 de julho. 

No Pará, 67 vagas estão abertas a brasileiros formados no exterior, em 33 cidades. São elas: Alenquer (2 vagas), Anapu (1), Baião (2), Bragança (2), Breves (3), Cametá (5), Conceição do Araguaia (1), Garrafão do Norte (1), Ipixuna do Pará (1), Itaituba (3), Jacundá (3), Juruti (1), Limoeiro do Ajuru (4), Marabá (2), Mocajuba (1), Moju (1), Muaná (2), Novo Progresso (1), Oeiras do Pará (1), Placas (1), Portel (1), Porto de Moz (2), Redenção (2), Rurópolis (3), Santarém (2), São Félix do Xingu (1), São Geraldo do Araguaia (1), São Miguel do Guamá (1), Tailância (5), Terra Santa (3), Tucumã (1), Tucuruí (4) e Uruará (3). 

Entre os 197 municípios e os nove distritos indígenas com vagas em todo o País, a maioria está na região Norte. São 109 postos em 51 municípios, além de sete DSEIs. O Nordeste também tem 51 municípios e um distrito indígena com 66 vagas. A região Sudeste, com 44 oportunidades, Sul (43) e Centro-Oeste (24) completam as vagas a serem preenchidas.

A previsão é que a cada trimestre o Ministério da Saúde lance novas chamadas.  As seleções preencherão as vagas de médicos que desistirem nas etapas anteriores e os municípios que não conseguirem aderir ao programa pela ausência de capacidade instalada. Até o momento, nove municípios abdicaram de 30 vagas.

BRASILEIROS
No total, das 4.146 vagas disponíveis em 1.294 municípios e 12 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), 3.830 já foram preenchidas por médicos brasileiros. Em relação aos municípios, 1.088 (84%) e três distritos indígenas já atraíram médicos para ocupar integralmente as vagas nas unidades básicas de saúde. Até o momento, 120 (9%) tiveram a solicitação parcialmente atendida e 77 (6%) ainda não conseguiram médicos.

Dos que estão em atividade, 3.155 médicos são das duas primeiras chamadas e atuam desde março. Os outros 675 foram alocados na terceira seleção. Esses profissionais começaram a se apresentar no início desta semana e os prefeitos tiveram até ontem para homologar a presença deles em 402 municípios.

O Nordeste foi a região que mais recebeu médicos, 1.726 (95%), de 1.799 vagas ofertadas, já foram ocupadas. O Sudeste ocupou 975 (95%), das 1.022 vagas, seguido do Centro-Oeste, que preencheu 370 (93%) das 396 oportunidades; do Sul, que atraiu médicos para 476 (91%) das 520 disponíveis; e o Norte que ocupou 283 (69%) das 409 vagas disponíveis. Os distritos indígenas já ocuparam 13 (37%) das 35 vagas de médicos. 

Dentre os Estados, 20 já preencheram mais de 90% das vagas e três deles (Amapá, Distrito Federal e Sergipe) sua totalidade. O Amazonas foi o Estado com menor percentual de ocupação por médicos formados no Brasil (60%).

SATISFAÇÃO
Os médicos brasileiros que atuam no Mais Médicos estão altamente satisfeitos com o Programa, segundo pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), na qual 90% dos profissionais com CRM Brasil responderam que indicariam a participação a outros médicos. 

A avaliação dos entrevistados reforça os resultados obtidos com as inscrições deste ano. Nas três primeiras chamadas do Mais Médicos em 2015, 92% das vagas ofertadas já foram preenchidas por profissionais com CRM Brasil. As vagas remanescentes serão abertas aos brasileiros formados no exterior a partir de hoje.

“Tivemos um resultado surpreendente e extremamente positivo. O preenchimento de 92% das vagas com médicos com CRM Brasil mostra a consolidação do Mais Médicos. A adesão indica que o programa tem qualidade, que os participantes brasileiros, além de satisfeitos com a participação, estão indicando a outros profissionais. Mesmo locais com difícil acesso e consequente dificuldade de provimento, tiveram alta taxa de preenchimento”, destacou o ministro da Saúde, Arthur Chioro. 

É a segunda pesquisa de opinião apresentada pelo Ministério da Saúde sobre as avaliações dos profissionais que atuam no Mais Médicos. Ao todo, foram feitas 391 entrevistas nas cinco regiões do país com médicos do Programa, entre 17 e 23 de novembro de 2014.

Quase a totalidade dos médicos brasileiros entrevistados (93%) afirmaram estar satisfeito ou muito satisfeito com a participação no Programa. A satisfação com a supervisão também foi alta: a nota média foi 9,3 para o relacionamento com o supervisor. Essa constatação dos profissionais sobre a seriedade e a legalidade do Mais Médicos ratifica o aumento de interesse dos candidatos com diplomas do Brasil em atuar no programa.

PERFIL
A maioria (68%) dos médicos CRM Brasil optou pelo benefício da pontuação de 10% nas provas de residência médica, caso tenha conceito satisfatório durante os 12 meses de atuação no programa. Já os benefícios do Mais Médicos foram a escolha de 32% dos candidatos. Além disso, 51,6% têm experiência em Saúde da Família e 12,2% foram bolsistas do Programa de Educação pelo Trabalho (PET) Saúde.

“A participação de médicos com CRM Brasil também aponta para a mudança da formação médica no país. A vivência na Saúde da Família fará do médico, mesmo que opte por uma outra especialidade, um profissional com visão mais global da saúde, a visão de quem já fez atenção básica, onde se resolvem 80% dos problemas de saúde. Muitos deles vão se realizar como médicos de família e comunidade e seguirão nessa especialidade”, acrescentou o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Heider Pinto.

As mulheres são maioria entre os novos participantes do Programa, representando 54% dos médicos selecionados. Enquanto 78% dos participantes que passam a atuar na atenção básica são solteiros. As pessoas entre 26 e 30 anos são a faixa etária com a maior presença (55%) entre os profissionais alocados.

Até 2014, 14.462 médicos foram enviados para 3.785 municípios, beneficiando 50 milhões de pessoas. Com a ocupação das 4.146 vagas apontadas pelos municípios no novo edital, o Governo Federal garantirá em 2015 a permanência de 18.247 médicos nas unidades básicas de saúde de todo o País, levando assistência a aproximadamente 63 milhões de pessoas. Serão 4.058 municípios beneficiados, 72,8% de todas as cidades do Brasil, além dos 34 distritos indígenas. (O Liberal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário