terça-feira, 8 de setembro de 2015

Campanha de ONG pretende transformar a Amazônia em reserva ecológica internacional

A Avaaz, uma ONG que promove campanhas globais e diz ter 41 milhões de membros no mundo todo, lançou, semana passada, uma campanha de arrecadação de dinheiro com o objetivo de formar a primeira reserva ecológica entre os países amazônicos, um gigante parque florestal totalmente protegido. 

Para isso, a entidade recebe doações, por meio da internet. Até a manhã desta terça-feira, 08/09/2015, mais de 73 mil pessoas já haviam feito doação em dinheiro, conforme divulgação feita no site da ONG, em valores que vão de R$ 10,00 a R$ 160,00.

O argumento principal da campanha é a velha história de que a Amazônia é considerada o "pulmão do mundo", pois “fornece 20% do oxigênio do planeta, abriga 10% da biodiversidade global e, além de ser nossa melhor defesa contra as mudanças climáticas, é o lar de muitos povos indígenas nativos”. 

Tudo isso vem sendo exterminado com o desmatamento que, segundo a organização, atinge uma média igual a 16 campos de futebol de floresta destruída a cada cinco minutos. A campanha seria uma forma de parar “esse desastre”. O texto publicado no site e distribuído por email a seus colaboradores, garante que essa é a melhor ideia do mundo para salvar a Amazônia.

A proposta “salvadora” da ONG já teria o apoio de um milhão de pessoas no mundo inteiro que assinaram a petição online, dentre elas o Governo da Colômbia, pais que faz parte da Amazônia. “Agora, só precisamos convencer o Brasil. No momento, a popularidade da presidenta Dilma Rousseff está no ralo e ela precisa de algo para agradar o povo. Os brasileiros amam a Amazônia. E, de acordo com contatos da Avaaz, isso leva a crer que as chances dessa ideia ter apoio popular e se tornar realidade são altas”, diz o texto.  

Na sequência, a exposição destaca a necessidade de agir rápido diante do lobby empresarial. “A reserva teria o dobro do tamanho da França. Parece sonho, mas falta bem pouco para se concretizar - e seria uma das melhores coisas que já fizemos! Entretanto, assim que a vitória estiver a nosso alcance, as indústrias da pecuária e mineração baterão de frente, usando seus recursos milionários para nos calar. Precisamos fazer barulho e conduzir uma campanha publicitária impecável para convencer a presidenta Dilma a apoiar nosso projeto. Temos que agir agora”.

A estratégia da campanha também é divulgada: “A comunidade da Avaaz no Brasil tem 7 milhões de membros e já estamos trabalhando junto com líderes indígenas neste projeto. Não há ninguém mais bem posicionado do que a comunidade da Avaaz para conduzir uma campanha popular como essa. Mas para garantir que os poderosos ouçam nossas vozes em alto e bom som, silenciando os lobistas, precisamos de fundos para aumentar o volume das nossas vozes usando táticas como:

Propagandas e anúncios publicitários, com apelos emocionantes feito por artistas famosos.
Visitas de líderes indígenas para promover o projeto e encontrar os principais políticos em Brasília e outros locais.

Levar os veículos de imprensa nacionais e internacionais para a Amazônia, a fim de divulgar a reserva ecológica e aumentar a pressão da mídia para aprovarmos este projeto.

Ações e manifestações para engajar mais pessoas e dar o tom da mobilização.
Apelos pessoais direcionados à Dilma da parte de autores e artistas que ela admira.
Uma equipe para acompanhar o processo no Palácio do Planalto e responder rapidamente a cada reviravolta”.

A postagem é assinada por Ricken Patel, que aparece no site como Diretor Executivo da Avaaz. Para buscar mais doadores ele cita publicações de veículos de imprensa do Brasil como a Revista Época e a Folha de São Paulo, e do exterior, como a Times. Todas as publicações com matérias sobre o desmatamento e o fracasso da política brasileira de proteção às populações indígenas.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos apresentou proposta ao Brasil e à Venezuela, em fevereiro deste ano, para criação do maior corredor ecológico do mundo, “para atenuar os efeitos das alterações climáticas e preservar a biodiversidade”. O corredor teria uma extensão de 135 milhões de hectares (1.350.000 km2) de floresta tropical. Para saber mais sobre o assunto, clique neste link

Veja um histórico sobre a tentativa de internacionalização da Amazônia, acessando este link.
Veja a resposta que o professor Cristovão Buarque deu a um estudante americano para uma pergunta sobre a internacionalização da Amazônia. Acesse este link
Texto: José Ibanês, com informações da Avaaz

Nenhum comentário:

Postar um comentário