terça-feira, 10 de novembro de 2015

Mulher de Cunha omitiu depósitos no exterior do BC e da Receita

A jornalista Cláudia Cordeiro Cruz, mulher de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sonegou, por três anos consecutivos, a existência de ativos no exterior que deveriam ter sido declarados ao Banco Central e à Receita Federal.

Segundo a Folha de São Paulo, extratos bancários da conta Kopek, em nome da mulher do presidente da Câmara dos Deputados, demonstram que em 31 de dezembro de 2014 estavam depositados US$ 278 mil. Na mesma data de 2013, o saldo era de US$ 148 mil e, no último dia de 2012, era de US$ 287 mil.

Conforme a legislação brasileira, o Banco Central exige uma declaração de todo contribuinte de contas no exterior cujo saldo seja superior a US$ 100 mil em 31 de dezembro do ano anterior. A omissão da declaração pode ser punida com multa de R$ 250 mil. A declaração da existência da conta, independentemente do valor, também é obrigatória no imposto de renda.

Ainda de acordo com a Folha, a versão de Cunha sobre as contas, cuja existência ele negou perante à CPI da Petrobras, começou a mudar após 29 de outubro, quando o Tribunal Federal Suíço rejeitou recurso dos advogados do peemedebista contra a transferência da investigação da procuradoria suíça para as autoridades brasileiras.
A decisão enterrou a possibilidade do deputado obter, pela via judicial suíça, a invalidação das provas enviadas ao Brasil.

A partir dali, informa a Folha, o presidente da Câmara começou a dizer a aliados e depois em público que era beneficiário de dois trusts (estrutura que administra bens de terceiros) e que os recursos em nome de Cláudia não precisavam ser declarados por manter saldo inferior ao mínimo que torna a declaração obrigatória.
Em entrevista ao "Jornal Nacional"  Cunha admitiu, porém, que a conta de Cláudia deveria ter sido declarada e pagar impostos. (msn/Notícias)

Nenhum comentário:

Postar um comentário