quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Colesterol alto potencializa risco de Acidente Vascular

Medidas simples são essenciais para combater o excesso da substância no sangue. A alimentação inadequada e o sedentarismo vêm aumentando o nível de colesterol ruim no sangue dos brasileiros. Dados do Ministério da Saúde apontam que 40% da população sofre de dislipidemia. Silencioso num primeiro momento, o mal potencializa o risco das doenças cardiovasculares, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC), popularmente conhecido como derrame, enfermidade que mais incapacita adultos no mundo. Somente em 2012, mais de 100 mil brasileiros morreram em decorrência da doença.

O que chamamos de colesterol são lipoproteínas que transportam as gorduras no sangue. O LDL é de baixa densidade e corresponde ao tipo ruim, responsável pelo acúmulo de placas de gordura nos vasos sanguíneos. Já o HDL, de alta densidade, é conhecido como colesterol bom, e auxilia na retirada da substância nos vasos. 

“A população ainda tem dúvidas sobre como evitar o excesso do colesterol, mas a receita para combater a doença é simples: seguir uma alimentação balanceada aliada à prática de atividades físicas regulares”, alerta a gerente médica da unidade MIP (medicamentos isentos de prescrição) do Aché Laboratórios, Dra. Talita Poli Biason.

Segundo a médica, a dieta ideal deve conter todos os grupos alimentares de forma equilibrada, dando prioridade aos vegetais, como frutas, verduras e legumes, preferencialmente os que ajudam na redução das taxas de gordura, além de peixes ricos em ômega 3, como o salmão. 

Outro recurso que pode ser usado é a suplementação alimentar a base de fitoesteróis, principal componente do Collestra, alimento funcional produzido pelo Aché Laboratórios, que auxilia na redução do colesterol no sangue. Extraída da soja, canola e girassol e aliada às medidas citadas, a substância ajuda a diminuir a absorção do colesterol pelo intestino, proporcionando uma série de benefícios ao organismo.

A gerente médica ainda alerta: não são somente os idosos que devem se preocupar com o mal. Em um passado recente, o colesterol alto era visto apenas como doença da terceira idade. O cuidado deve começar muito antes. Infelizmente, por conta dos maus hábitos alimentares, é cada vez mais comum detectar o distúrbio em crianças e jovens. “Por isso, é importante  conversar sobre esse assunto com seu médico. Quando necessário, ele irá solicitar exames de sangue para medir os níveis de colesterol”, conclui Dra. Talita Poli Biason. (Ministério da Saúde)

Nenhum comentário:

Postar um comentário