quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Lava-Jato: STF autoriza dois inquéritos contra Jader Barbalho

O ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de mais dois inquéritos sobre os desvios de dinheiro na Petrobras. Em ambos são alvo da Polícia Federal dois senadores peemedebistas, sendo eles o paraense Jader Barbalho (PMDB) e; o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). 

No primeiro inquérito também será alvo de investigação, o senador Delcídio Amaral (PT-MS); já no segundo, mais um peemedebista, o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE). O grupo é suspeito de ter cometido corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Os pedidos para abrir esses inquéritos foram enviados ao STF pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Hoje, Zavascki autorizou diligência solicitada por Janot e enviou os inquéritos à Polícia Federal. Os inquéritos tramitam em sigilo e as diligências a serem cumpridas não foram divulgadas. Podem ser, por exemplo, depoimentos dos investigados ou de testemunhas.

Esse é o segundo inquérito aberto no STF contra Delcídio por indícios de participação no esquema descoberto pela Operação Lava-Jato. O primeiro foi aberto na semana passada e gerou a prisão dele. Renan responderá ao quinto inquérito na Lava-Jato no STF e Aníbal, ao quarto. 

Em relação a Jader, será o primeiro inquérito contra ele sobre o assunto aberto no tribunal. O senador paraense Jader Barbalho é acusado de ser um dos que, Delcídio Amaral, teria dividido a propina de US$ 6 milhões referentes a contrato de afretamento do navio-sonda Vitória 10.000 pela Petrobrás, em 2006. Também teriam recebido propina nesse contrato Renan Calheiros; o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro de Minas e Energia no governo Lula, Silas Rondeau.

Não foram divulgados documentos com detalhes sobre as investigações. Há somente a informação de que o pedido foi feito com base em uma petição que tramita de forma oculta no tribunal. A petição trata de uma delação premiada – que, por lei, deve ser mantida em sigilo. Uma das delações homologadas recentemente foi a do lobista Fernando Baiano.
Com as novas investigações, haverá no STF 35 inquéritos sobre a Lava-Jato. Ao todo, são 68 investigados. 

Desses, há 23 deputados, 14 senadores, um ministro de estado e um ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). A expectativa é de que o rol de investigados seja ainda maior, porque a corte mantém investigações ocultas, sem disponibilizar sequer o nome do suspeito ao público.
 ORM News com informações de O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário