terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Novo Civic chega a 176 cv; conheça esse carrão.

A análise da nova geração do Honda Civic, que conta com um visual ousado, semelhante a um cupê. Nesta quarta-feira, a companhia liberou um material mais detalhado sobre os novos propulsores que equiparão o modelo e os equipamentos que ele vai oferecer nos EUA. O principal atrativo é o novo motor 1.5 turbo de  176 cv de potência.

O propulsor sobrealimentado é composto por quatro cilindros em linha, com duplo comando de válvulas (com comando variável) e válvula de alívio elétrica do turbo, em vez de a vácuo. O bloco atinge torque máximo de 22,4 kgfm já em 1.800 rpm, mantendo-se estável até às 5.500 rotações, quando toda a potência está à disposição. Para trabalhar com o novo motor, a Honda optou pela transmissão do tipo CVT.

A opção 2.0 aspirada, embora seja a mesma adotada na geração atual à venda no Brasil (com duplo comando de válvula variável), também foi retrabalhada e agora é capaz de gerar 160 cv de potência a 6.500 rpm e 19 kgfm de torque a 4.200 rpm. Trata-se do motor de entrada da gama do Civic mais potente da história do sedã. O bloco pode ser acoplado a um câmbio manual de seis marchas ou à transmissão CVT.

De acordo com a fabricante, ambos os propulsores contêm uma série de medidas que diminuem a fricção interna e contribuem para a economia de combustível. Aliadas à nova estrutura do carro, que utiliza 59% de aço de alta resistência e 14% de aço de ultra-alta resistência - reduzindo o peso do carro em 30 kg -, a Honda promete um consumo médio de 14 km/l em percurso combinado entre cidade e estrada, tanto para o motor turbo quanto o aspirado, os dois a gasolina.

 Ainda sobre a estrutura do novo Civic, a décima geração também dispõe de uma série de “estreias” à gama do sedã. Por exemplo, é a primeira vez que o modelo contará com tecnologia vetorial de torque para aumentar a precisão ao contornar curvas. As buchas do conjunto de suspensão são hidráulicas, os suportes dos amortecedores de alumínio e as barras estabilizadoras ficaram mais espessas (contribuindo para o aumento da rigidez torcional em 25,8%). A assistência elétrica variável da direção também foi melhorada, para aprimorar a precisão e o conforto do volante. (msn/Motorpress)

Nenhum comentário:

Postar um comentário