segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Acidentes em rodovias federais provocaram 8 mil mortes

No trecho que passa dentro do Distrito Federal, a BR-040 tem pouco mais de oito quilômetros de extensão. Apesar de pequena, em um ano, os acidentes nessa rodovia tiraram a vida de oito pessoas. Entre as mais de 400 estradas federais, esses números podem passar despercebidos, mas revelam algo mais. Por estar em uma área urbana, a 040 no DF tem a maior taxa do país de mortos para cada 10km. Para entender as diferenças no comportamento dos acidentes, O GLOBO calculou a taxa de mortes para cada rodovia federal nos trechos dentro dos estados.

O levantamento, feito a partir de uma base de 156 mil acidentes registrados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) ocorridos entre julho de 2014 e junho de 2015, revela que mais de 43% das colisões tiveram algum tipo de vítima (mortos ou feridos). Nesse período, foram mais de oito mil mortos e 100 mil feridos, um quarto deles com gravidade.

No geral, os meses de férias, como dezembro, tendem a registrar mais casos. As segundas e sextas e o período da noite apresentam também maior frequência. Os dados agregados, contudo, escondem detalhes. Acidentes com vítimas são mais comuns entre sábados e segundas. Pela manhã e à noite há mais casos com mortes.

Com essas diferenças, é possível estimar as chances de haver vítimas nos acidentes nas rodovias. Ela é até 18% maior nos fins de semana. Nos feriados, sobe para 19%. E há uma característica que piora esse dado. Quando o feriado cai numa quinta-feira, por exemplo, a chance de haver vítimas sobe 57%. 

Na avaliação da PRF, o feriadão aumenta a predisposição e o tempo disponível aos motoristas para que façam deslocamentos mais longos. “Também encorajam aqueles que não têm o hábito de dirigir a pegar rodovia, que tem uma dinâmica diferente das vias urbanas”. Os dados indicam também que a chance de haver vítimas aumenta 13% de madrugada. As ocorrências nesse período, segundo a PRF, estão ligadas a dois fatores: a falta de visibilidade e a sonolência.

Especialista em segurança de trânsito, Eduardo Biavati explica que as principais causas dos acidentes são o despreparo dos motoristas e a falta de manutenção dos veículos:
— O alto risco nas rodovias em períodos de grande movimento acontece também por causa da péssima qualidade das vias, raramente duplicadas, quase nunca providas de acostamento para emergências, e nas quais o controle de velocidade por radares e câmeras é limitadíssimo. (O Globo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário