sábado, 9 de janeiro de 2016

Inflação é de 9,93% em Belém, segundo IBGE

Belém fechou 2015 com a mais inflação dos últimos dez anos. De acordo com os dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) da capital paraense bateu a casa dos 9,93% entre os meses de janeiro e dezembro de 2015. Mesmo com uma inflação perto dos dois dígitos, a taxa apurada em Belém está entre as cinco menores inflações dentre os 13 locais pesquisados pelo Instituto ao longo dos últimos doze meses.

Os números revelam ainda que o IPCA registrado na capital do estado é inferior à média nacional, que terminou o ano com variação acumulada de 10,67%. Entre os grupos que mais contribuíram para esta elevação em Belém estão: habitação (14,32%); despesas pessoais (11,63%) e alimentação e bebidas (11,10%). O IPCA, que mede a inflação das famílias com renda entre um e 40 salários mínimos, fechou 2014 na capital paraense com variação de 6,59%, ou seja, 3,34 pontos percentuais abaixo do índice apurado no ano passado.

No mês passado, a taxa inflacionária apresentou um ligeiro aumento se comparado a novembro do mesmo ano. A elevação foi de 0,14 pontos percentuais, saltando de 1,25% (novembro) para 1,39% (dezembro). Os principais grupos responsáveis pela expansão dos indicadores foram habitação (2,35%) e transporte (2,28%). 

A inflação nacional relativa ao mês de dezembro apresentou um recuo de 0,05 pontos percentuais se comparado ao mês anterior, arrefecendo de 1,01% (em novembro) para 1,39% (em dezembro). Para os próximos meses, a expectativa é de novas altas, segundo apontam os especialistas em mercado. Dentre os treze locais pesquisados, Curitiba alcançou o índice mais alto, na casa de 12,58%.

No caso do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que calcula a inflação das famílias com renda de um a cinco salários mínimos, Belém registrou variação acumulada na ordem de 9,86%, ou seja, 3,22 pontos percentuais superiores ao indicador apurado no ano anterior, quando o INPC fechou em 6,64%. O INPC nacional fechou o ano com variação de 11,28%, ou seja, acima dos percentuais apurados na capital paraense. 

No ano passado, Belém registrou o terceiro menor índice dentre os 13 locais pesquisados, superada apenas por Belo Horizonte (9,71) e por Vitória (9,50%). O maior INPC apurado no Brasil em 2015 foi em Curitiba (13,81%).

GRUPOS
Entre os alimentos que apresentaram a maior alta de preços no ano passado em Belém estão: o açúcar e seus derivados (29,72%), os legumes e tubérculos (28,15%), sal e condimentos (21,82%), carnes e peixes industrializados (16,53%) e o óleo de cozinha (14,55%). No caso do setor habitação, os itens com aumentos mais expressivos foram os combustíveis residenciais – gás de cozinha - (31,03%) e a energia elétrica (23,75%). Já o grupo das despesas pessoais foi puxado pelo aumento no custo da recreação (15,35%) e do fumo (10,34%).  (ORM News)

Nenhum comentário:

Postar um comentário