segunda-feira, 4 de abril de 2016

Partidos já começam a traçar metas para eleições

Com o fim do prazo dado pela Justiça Eleitoral para que os interessados em concorrer no próximo pleito se filiem aos partidos, no último sábado, as legendas passaram a traçar suas metas para as eleições municipais desse ano. Depois de já terem analisados perdas e ganhos nas casas legislativas e à frente do poder executivo de municípios ou estados, provocados pela Emenda Constitucional que possibilitou, pelo prazo de 30 dias (contados a partir do dia 18 de fevereiro) o detentor de mandato eletivo trocar de sigla sem cair na infidelidade partidária, as legendas estão com os números na mesa e podem definir seus planos para a disputa de outubro. 

Nacionalmente, o PSB, por exemplo, manteve seus 34 deputados federais e conta ainda com sete senadores, três governadores e quatro prefeitos de capital. No Pará, a situação ficou ainda melhor para a sigla, que conseguiu aumentar de seis para oito o número de prefeitos nos 144 municípios do Estado. “Nós filiamos uma quantidade muito expressiva. Depois da morte do Eduardo Campos, imaginamos que o partido ia diminuir, mas foi o contrário”, afirmou o deputado estadual Cássio Andrade, membro da executiva nacional e secretário geral do PSB em Belém.

Segundo ele, os dois prefeitos que migraram para a sigla são de Nova Esperança do Piriá e Santa Maria do Pará. O PSB conseguiu manter seus dois deputados estaduais (o próprio Cássio e Sidney Rosa) e ainda conquistou o presidente da Câmara Municipal de Belém, vereador Orlando Reis, que passa a fazer parte do quadro de filiados da agremiação. Em Belém, o partido já conta com 60 pré-candidatos a vereadores, quando o limite é 52. “Vamos ter que cortar”, observa Cássio. Vice-prefeita da capital, Karla Martins continua na sigla. 

Em todo o Estado, o PSB conseguiu filiar mais 40 vereadores e perdeu sete. “Foi muito surpreendente para nós a procura pelo PSB”, afirmou Cássio Andrade. A ideia é lançar mais de 30 candidatos a prefeitos em todo o Pará. O partido ainda deve sair com chapa completa para vereadores não apenas em Belém, mas nos outros dois principais municípios da Região Metropolitana: Ananindeua e Marituba. 

Nas eleições majoritárias de Belém e Ananindeua, de acordo com Cássio Andrade, a sigla continuará apoiando Zenaldo Coutinho e Manoel Pioneiro, ambos do PSDB, que devem vir para a reeleição. 

Representantes de outras siglas ouvidor por O LIBERAL também avaliaram o período de filiações como positivo. O PPS, do deputado federal Arnaldo Jordy, por exemplo, cresceu no Estado do Pará, onde já conta com 53 pré-candidatos a prefeito. “Esse número é inédito. Nunca conseguimos um número de pré-candidatos em eleições majoritárias nesse patamar”, ressaltou o parlamentar. 

Além disso, segundo ele, o partido terá candidatos a vereador em 130 dos 144 municípios paraenses. Já em Belém, a quantidade de pré-candidatos a vereadores chega a 63. “Vamos ter que enxugar. Mas às vezes tem um problema ou outro com algumas dessas pessoas, até de documentação, e esse enxugamento ocorre naturalmente”. 

Na capital, a legenda estuda a possibilidade de vir com candidatura própria e, para isso, conta com vários nomes, inclusive do próprio Jordy. Mas ele afirma que esse assunto ainda é objeto de debate na executiva municipal. “Não temos nada definido a respeito”. 

RESULTADOS
Outro partido político que colhe os bons frutos do período de filiações partidárias é o PSOL. “A gente tem uma avaliação positiva do processo de filiação, porque a crise tende a afastar as pessoas da política, mas isso não aconteceu no caso do PSOL”, afirma Araceli Lemos, presidente do diretório municipal, que preferiu não adiantar os números porque, segundo ela, eles ainda estão sendo fechados. “O que eu posso dizer é que, para nós, esse período foi bastante satisfatório. Já temos chapa completa para vereador em Belém”, declarou. 

Um dos principais objetivos, na capital paraense, é aumentar a quantidade de vereadores que a legenda conseguiu eleger em 2012, na Câmara de Vereadores de Belém. Pela coligação foram sete eleitos, sendo quatro somente do PSOL. “Para prefeito, queremos o Edmilson Rodrigues”, enfatizou Araceli, sobre a pré-candidatura do ex-prefeito de Belém. 

Em eleições anteriores, para entrar na disputa, era preciso estar filiado a um partido político um ano antes do pleito, agora, são seis meses antes. Essa foi uma das principais mudanças do calendário da Justiça Eleitoral. O primeiro turno das eleições 2016, para escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, será no dia 2 de outubro e o calendário com todos os prazos para o pleito desse ano começou a valer no dia primeiro de janeiro. As principais alterações no calendário eleitoral de 2016 dizem respeito à filiação e convenções partidárias, registro de candidatos e propaganda eleitoral.  (O Liberal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário