quinta-feira, 14 de abril de 2016

Sespa inicia período de vacinação contra a gripe no próximo dia 18

A vacinação contra a gripe em mais da metade dos municípios do Pará começará na próxima segunda-feira (18). A determinação é da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), que recebeu 50% das doses enviadas pelo Ministério da Saúde (MS) e já distribuiu a vacina para 81 dos 144 municípios paraenses, para que as secretarias municipais de Saúde iniciem a imunização pelos grupos de risco. A Sespa deve receber da União os 50% das doses restantes até o dia 22 de abril. Após esse prazo, os 63 municípios que ainda não foram contemplados com as vacinas já poderão definir as estratégias de prevenção.

A antecipação da vacinação visa prevenir os grupos prioritários, com maior rapidez, das Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG). Só este ano, em todo o Estado, já foram confirmados 16 casos de contaminação por influenza A (H1N1), 22 casos de SRAG não especificada e três por Metapneumovírus Humano, além de três mortes por H1N1, todas ocorridas em Belém.

Para a campanha antecipada, a Divisão de Imunizações da Sespa recebeu 923.200 doses da vacina, de um total de 1.846.400 milhão de doses já reservadas pelo Ministério da Saúde ao Pará. A antecipação atenderá logo as regiões com casos notificados e as mais distantes. A Região Metropolitana de Belém, formada ainda pelos municípios de Ananindeua, Benevides, Marituba, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, poderá iniciar a imunização, visto que foram liberados 50% das doses destinadas a cada município.

O mesmo percentual foi enviado aos 19 municípios abrangidos pela 9ª Regional de Saúde, sediada em Santarém, no oeste paraense. A Sespa, no entanto, liberou 100% das doses somente para os municípios abrangidos pelos 8º, 10º, 11º, 12º e 13º Centros Regionais de Saúde, cujas sedes são nos municípios de Breves (Marajó), Altamira (oeste), Marabá (sudeste), Conceição do Araguaia (sul) e Cametá (nordeste), respectivamente.

Prioridades - Terá prioridade na vacinação o grupo de risco mais suscetível às gripes, formado por gestantes, crianças com idade entre seis meses e menores de 5 anos, puérperas, trabalhadores de saúde das áreas pública e privada, pessoas com mais de 60 anos, povos indígenas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que cumprem medidas socioeducativas e detentos, além de funcionários do sistema penitenciário.

A Sespa alerta que pessoas portadoras de doenças crônicas, de qualquer idade, devem providenciar com antecedência a prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina. O laudo deve ser apresentado no ato da vacinação.

Apesar da antecipação, o Dia D da campanha de vacinação fica mantido no Pará para 30 de abril (sábado), a exemplo do que ocorrerá no restante do País, quando as secretarias municipais de Saúde disponibilizarão as doses nas Unidades Básicas, e em outros locais abertos especialmente para a ocasião (os postos volantes), como centros comunitários, salões paroquiais, estandes em shoppings e supermercados, e ainda coretos de praças. O prazo para a vacinação contra a gripe vai até 20 de maio. A vacina imuniza 15 dias após a aplicação.

O público-alvo da campanha no Pará soma 1.704.531 pessoas, e a meta é imunizar, no mínimo, 80% desse quantitativo. No Estado serão 2.506 postos de vacinação fixos, além de 390 volantes e 62 fluviais, com 21.350 pessoas envolvidas, incluindo 2.048 equipes de vacinação. Além de 650 carros, também estarão disponíveis para a campanha 42 barcos, 16 voadeiras e 29 motocicletas.

Orientadora da campanha, a Sespa recomenda que os profissionais das secretarias municipais de Saúde se empenhem em convencer a população a aderir à vacinação.
As grávidas geralmente formam o grupo mais resistente à campanha. “Não há perigo. Pode se imunizar em qualquer período gestacional”, garante Jaíra Ataíde, coordenadora estadual do Programa de Imunização. Ela ressalta que a vacina só é contraindicada para pessoas com histórico de reação anafilática prévia em doses anteriores ou que tenham alergia grave a ovo de galinha e seus derivados.

Práticas de higiene - Além da vacinação, durante a campanha os órgãos de saúde intensificarão as orientações sobre práticas de higiene que devem ser mantidas pela população, para melhor prevenção das síndromes respiratórias, como manter janelas abertas e ambientes arejados e lavar bem as mãos - já que a transmissão dos vírus Influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos e nariz).

Os sintomas da gripe são febre, tosse ou dor na garganta, além de dores na cabeça, musculares e nas articulações. O agravamento pode ser identificado quando a pessoa tem falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração. O mais indicado, nesse quadro, é procurar um serviço de saúde o mais rápido possível.

Conforme as recomendações do Ministério da Saúde, a vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus. Por isso, as medidas de prevenção são muito importantes, particularmente durante o período de maior circulação viral, entre os meses de junho e agosto. Mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe - especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis - devem procurar atendimento médico imediatamente.
Mozart  Lira - Secretaria de Estado de Saúde Publica
Agência Pará de Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário