segunda-feira, 18 de julho de 2016

Estudo destaca o Pará na projeção de crescimento da agropecuária na próxima década

A agropecuária brasileira tem um cenário promissor nos próximos anos e o Pará vai fazer parte dessa expansão. A soja, a carne bovina e as frutas serão os principais produtos que impulsionarão a expansão paraense no agronegócio brasileiro.
Segundo o estudo “Brasil – Projeções do Agronegócio 2015/16 a 2025/26”, elaborado pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e divulgado nesta segunda-feira, 18, a safra de grãos deverá passar de 196,5 milhões de toneladas para 255,3 milhões de toneladas neste período, com aumento de 58,8 milhões de toneladas (30%).  Já a estimativa para a produção de carnes (bovina, suína e aves) é de um crescimento de 7,8 milhões de toneladas (29,8%) na comparação com 2015/16.

Algodão em pluma, milho, leite, carne suína, frango, soja em grão, açúcar, manga, mamão papaya, uva e melão devem ser os produtos agrícolas mais dinâmicos entre 2015/16 e 2025/26. O frango deve ser o destaque no segmento de proteína animal, com aumento de 34,6% na produção. A previsão de crescimento para a carne suína é de 31,3% e de 21% para a bovina, conforme o prognóstico apresentado no estudo.
           
 A produtividade, aliada aos mercados interno e externo, continuará sendo o principal fator a impulsionar o crescimento da produção agrícola. Enquanto o aumento previsto para produção é de 30%, o prognóstico de expansão da área plantada é 12,7%. Ou seja, o rendimento das lavouras será maior mesmo que o espaço cultivado avance em ritmo menor.

SOJA
A produção de soja no país para 2015/16 está estimada em 95,6 milhões de toneladas. A produção é liderada pelos estados de Mato Grosso, com 27,2% da produção nacional; Paraná com, 17,9%; Rio Grande do Sul com 16,9%; Goiás, 10,7%; Mato Grosso do Sul, 7,6%, Minas Gerais, 4,9% e Bahia, 3,4%. Mas, a produção de soja está migrando também para novas áreas no Maranhão, Tocantins, Pará, Rondônia, Piauí e Bahia, que em 2015/16 respondem por 9,2% da produção brasileira, que corresponde a uma produção de 8,8 milhões de toneladas de soja.

 A projeção de soja em grão para 2025/26 é de 129,2 milhões de toneladas. Esse número representa um acréscimo de 35,1% em relação à produção de 2015/16. Mas é um percentual que se situa abaixo do crescimento ocorrido nos últimos 10 anos no Brasil, que foi de 66,0% (Conab, 2016).

CARNES
            Segundo o IBGE, EM 2015 foram abatidas 30,6 milhões de cabeças em todo o país. O Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Pará, Rondônia e Rio Grande do Sul, lideram os abates, com 76,0% dos abates no país. Os dados de efetivos de bovinos em 2014 indicam que o país possuía nesse ano, 212,3 milhões de cabeças, sendo que 33,5% encontravam-se no Centro-oeste, 21,6% no Norte, 18,1% no Sudeste, 13,8% no Nordeste e 12,9% no Sul. No Centro-oeste, o maior efetivo estava em Mato Grosso e no Norte, Pará e Rondônia concentravam o maior efetivo.

As projeções de carnes para o Brasil mostram que esse setor deve apresentar intenso crescimento nos próximos anos e a expectativa é que a produção de carne no Brasil continue seu rápido crescimento na próxima década. Ainda segundo essas instituições, os preços ao produtor devem crescer fortemente durante os próximos dez anos, especialmente para carne de porco e carne bovina, enquanto os preços do frango devem crescer a taxas mais modestas. 

Entre as carnes, as que projetam maiores taxas de crescimento da produção no período 2015/16 a 2025/26, são a carne de frango, que deve crescer anualmente a 3,0%, e a suína, cujo crescimento projetado para esse período é de 2,7% ao ano. A produção de carne bovina tem um crescimento projetado de 2,4% ao ano, o que também representa um valor relativamente elevado, pois consegue atender ao consumo doméstico e às exportações. 

A produção total de carnes em 2015/16 está estimada em 26,3 milhões de toneladas e a projeção para o final da próxima década é produzir 34,1 milhões de toneladas de carne de frango, bovina e suína. Essa variação entre o ano inicial da projeção e o final resulta num aumento de produção de 29,8%.

FRUTAS
            As frutas têm apresentado importância crescente no país, tanto no mercado interno como no internacional. Em 2015, o valor das exportações de frutas (inclui nozes e castanhas) foi de U$ 888,8 milhões, e a quantidade exportada foi de 854,8 mil toneladas.

Entre as frutas, a banana é a que apresenta maior dispersão geográfica no país, mas São Paulo e Bahia são os principais produtores com 28,4% da produção nacional na safra 2015/16. O Pará é o único estado da região Norte a contribuir com uma relevante produção de bananas. Ano passado, a produção paraense foi de 544 toneladas, o que representa 7,9% da produção nacional.

As projeções de produção até 2025/2026 mostram que os maiores aumentos de produção no período das projeções devem ocorrer no melão, 37,5% em relação a 2015/16, manga, 23,2%; maçã, 22,6%; mamão, 12,9%; banana, 7,1% e uva, 6,7%.

PROJEÇÕES REGIONAIS
As projeções regionais incluíram neste ano alguns estados que estão se tornando mais importantes na produção agropecuária, como Rondônia e Pará. As projeções regionais têm por objetivo indicar possíveis tendências de produtos selecionados nas principais regiões produtoras e regiões em expansão, e também mostrar as previsões de forma um pouco mais desagregada. 

As projeções foram realizadas apenas para produção e área plantada porque não se dispõe de informações mais detalhadas como nas projeções nacionais.
A soja deve apresentar expansão da produção e área em todos os estados analisados neste relatório. Destacam-se Tocantins, Pará, Rondônia, Maranhão e Mato Grosso, como aqueles onde mais isso deve ocorrer.

O estudo detalhado pode ser visto no endereço eletrônico http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/acs/2016/projecoes-agronegocio-2016-2026.pdf
Por Pascoal Gemaque - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário