quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Obras na Avenida João Paulo II aceleram e pavimentação deve ser concluída em dezembro

A obra de prolongamento da Avenida João Paulo II, em Belém, retomou o ritmo acelerado. O projeto foi reprogramado após o aporte de R$ 20 milhões de recursos federais, repassados em junho, além da contrapartida do governo do Estado. Com o novo cronograma, a previsão é que até dezembro deste ano a via já esteja totalmente asfaltada, e as pontes, que ultrapassam os Lagos Bolonha e Água Preta, consideradas a parte mais crítica da obra, estejam 50% concluídas. 

Os trechos de terraplenagem e drenagem já estão quase finalizados. As pontes que irão transpor os dois lagos contam com 100% de suas infraestruturas (fundações, infra e meso estruturas) concluídas, e as superestruturas, em aço 588 platinado corten (protegido contra a oxidação), encontram-se em processo de fabricação, para posterior montagem.

Atualmente, estão sendo executados arremates nos trechos de drenagem e preparação para início dos serviços de pavimentação (base e sub-base). As pontes estão em processo de fabricação da superestrutura, em área externa, para posterior transporte ao pátio de empurre e montagem.

O trabalho de retomada acelerada das obras foi acompanhado durante visita, na manhã desta quinta-feira (11), pelos secretários de Estado de Planejamento, José Alberto Colares, e da Fazenda, Nilo Rendeiro de Noronha; pelo diretor de Fiscalização da Sefa, Célio Cal, e pelos coordenadores das regionais de Belém, Marituba, Grandes Contribuintes, Substituição Tributária e Trânsito Belém, que na ocasião estavam acompanhados do diretor-geral do NGTM (Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano), Cesar Brasil Meira, e pelo diretor da construtora Camargo Corrêa, Luiz Guerra.

Interação - “Hoje, a obra está com 50% dos serviços executados, sendo que os trabalhos considerados mais críticos já estão praticamente concluídos. Então, refizemos o cronograma para que a obra seja finalizada em meados do ano que vem. Não apenas nós, do NGTM, mas a equipe de Estado, sob a coordenação do governador Simão Jatene, trabalha diariamente para que essa obra seja brevemente concluída, mesmo no atual cenário de crise pelo qual o País passa. Essa visita de hoje demonstra a interação de todos os órgãos do governo, unidos para a finalização desse projeto”, destacou Cesar Meira.

A diretora executiva do NGTM, Marilena Mácola, explicou a relevância da visita à obra. “É de grande importância a visita ao canteiro dos secretários e dirigentes de órgãos, pois como há uma premissa do Estado em aportar recursos para as obras em franco avanço, eles podem acompanhar de perto o que está sendo realizado e, juntos, ajustamos os cronogramas técnico e financeiro para o desembolso da contrapartida do governo do Estado, com financiamento do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e do repasse do OGU (Orçamento Geral da União)”, informou.

Urbanização - O prolongamento da Avenida João Paulo II compreende o trecho entre a Passagem Mariano e a Rodovia Mário Covas, e contará com duas pontes, uma (com 176 m) a 60 metros da Passagem Mariano, transpondo a ponta do Lago Bolonha, e a outra (com 254 m) a 30 m da Rua da Pedreirinha, transpondo a ponta do Lago Água Preta.

A nova via possuirá acostamentos, ciclovias e calçadas, respeitando os preceitos legais de acessibilidade. Também contará com drenagem, iluminação pública e monitoramento de segurança. Sete passarelas para pedestres serão implantadas ao longo da via, às proximidades dos seis pares de pontos de ônibus urbanos. Toda a obra terá 4,7 quilômetros.

Durante a visita, o secretário Nilo Noronha e sua equipe do Fisco estadual fizeram uma avaliação da reunião com os dirigentes responsáveis pelo projeto. “Saímos dessa visita muito felizes ao vermos onde se aplicam os recursos que são arrecadados por nós, através da Secretaria da Fazenda”, avaliou.

Proteção ambiental ao Utinga - Para o secretário de Planejamento, José Alberto Colares, o projeto da João Paulo II ultrapassa a questão da mobilidade urbana. Segundo ele, é de extrema importância principalmente porque trará proteção ambiental e sanitária ao Parque do Utinga e aos Lagos Bolonha e Água Preta, que abastecem a população da Região Metropolitana de Belém. 

“Considero que essa obra tem uma fundamentação extraordinária não só pela questão da mobilidade urbana, mas, acima de tudo, pela questão ambiental, pois ela concretiza efetivamente a proteção do Parque de Belém, que é hoje a única reserva ambiental da cidade de tamanho significativo. Além disso, é de crucial importância porque são esses lagos que abastecem a população da capital”, enfatizou.

A obra contempla também um projeto de fitorremediação, que tratará as águas dos esgotos lançadas nos lagos. A tecnologia ambiental permite tratar águas provenientes de esgotos de municipalidades e efluentes industriais. Trata-se de uma técnica, com patente internacional, para despoluição com o uso de plantas. 

A água é absorvida pelo jardim e passa por uma série de filtros plantados, nos quais diversas reações acontecem no solo, estimuladas pela atividade das plantas e dos micro-organismos da rizosfera (região onde o solo e a raízes das plantas entram em contato). Posteriormente, a água passa por um filtro vertical, e depois por outro filtro horizontal, que a despeja em um reservatório plantado, onde as impurezas são filtradas.
Assim, o projeto eliminará a contaminação dos mananciais da cidade e reduzirá o índice de 
doenças causadas por mosquitos, trazendo mais saúde e qualidade de vida para a comunidade. Outro destaque é a possibilidade de integração desses jardins à cidade, por meio de um projeto paisagístico desenvolvido para este fim.

A técnica empregada na construção das duas pontes também é diferenciada, já que elas serão montadas em terra, no pátio de empurre, para em seguida serem movimentadas para sua locação definitiva. Isso faz com que as atividades antecessoras possam ser realizadas fora do canteiro de obra. Essa tecnologia permitiu baixar para praticamente zero o impacto ambiental sobre os lagos.

A concepção do projeto prevê também uma composição paisagística, que se harmonizará com a do Parque do Utinga. Com todas essas intervenções, a área da nova Avenida João Paulo II será uma das mais bonitas de Belém. Somada à nova configuração do Parque Ambiental do Utinga, se tornará um belo ponto de contemplação da natureza, entretenimento, esporte e lazer.
Por Manu Viana - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário