quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Cacau e chocolate paraenses conquistam mercado no Brasil e fora do País

Quando o paraense pensa em um fruto que é a cara do Pará, geralmente a imagem do açaí, do cupuaçu, do bacuri - entre outros - é a primeira que vem à mente. Mas outro fruto, tão antigo quanto a própria floresta amazônica e enraizado na história do Pará, está ganhando cada vez mais destaque: o cacau. Só este ano está prevista a produção de 115 a 120 mil toneladas de amêndoas, ultrapassando, pela primeira vez, a produção da Bahia, considerada até o momento a maior produtora do país. E junto com o aumento da produção vem o aumento dos investimentos na jovem indústria de chocolate paraense, que está conquistando ano a ano o paladar e a preferência do mercado externo.

Para Hidelgardo Nunes, responsável pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e de Pesca (Sedap), o crescimento já é um sinal da futura liderança do Pará no mercado de exportação de amêndoas. “Estamos em um cenário positivo, de franca produção. O levantamento feito pela Ceplac (Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira) indica uma produção de 115 a 120 mil toneladas em 2016. Esse número nos colocará como o primeiro produtor brasileiro, superando a Bahia. 

Este ano conseguimos este saldo positivo devido à seca que afetou mais a Bahia do que o Pará, porém, o nosso planejamento é que o Estado se consolide como líder produtor em no máximo cinco anos. Temos um cacau de melhor qualidade, que está sendo cada vez mais reconhecido, além disso, temos o FunCacau, que é um fundo voltado para o desenvolvimento de diversas práticas que beneficiem tudo o que envolve a produção de cacau no Pará”, explica o secretário.

De acordo com a Sedap e a Ceplac, em 2014 o Pará produziu 64 mil toneladas de amêndoas, o que representava 25% da produção de cacau no Brasil. Em 2015 foram 150 mil e em 2016 esta produção pode alcançar quase o dobro do registrado em 2014, o que representará 50% de toda a produção de amêndoas no país. Enquanto isso, a Bahia, não deve ultrapassar 110 mil toneladas neste ano. Os números mostram o crescimento expressivo da produção rumo à liderança do mercado de cacau no Brasil.

Chocolate
A maioria dos consumidores brasileiros de chocolate talvez nunca tenha provado o produto com alto índice de pureza, ou seja, com teor de no mínimo 35% de cacau, sem a gordura hidrogenada e outros produtos químicos que alteram o sabor, cor e aroma. No Pará, quatro empresas começam a marcar presença na exportação de chocolates para países como Estados Unidos, Japão, França, Holanda e Bélgica, além de estados como São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. Estes compradores procuram um produto de identidade única e alta qualidade, o que é encontrado no cacau paraense.

O fruto colhido no Estado possui um sabor intenso e único. Suas amêndoas podem produzir mais chocolate do que as variedades encontradas em outras regiões do país, principalmente pela influência positiva dos diversos tipos de solos e climas encontrados na região, além disso, as empresas locais têm investido na altíssima qualidade do processo de produção de seus chocolates.

O cacau está presente em quase todas as regiões do Estado: no Baixo Tocantins, no sul do Pará, ao longo da PA-279, entre os municípios de Tucumã e São Félix do Xingu, nas ilhas, na região do Jari e principalmente no município de Medicilândia, de onde sai grande parte da produção.

César de Jesus Moraes Mendes, 53 anos, é um destes empresários que há mais de uma década investe no chocolate do Pará. César, que é conhecido pelo nome e marca de chocolate “De Mendes”, é um cientista do produto, um chocolatier, especialista e estudioso da área, com diversas formações acadêmicas, principalmente na área de química. Mendes participou ativamente de pesquisas para catalogar as variações de cacau encontradas no Pará e da implantação da primeira fábrica de chocolate paraense, localizada em Medicilândia, município que possui a maior produção do fruto e amêndoa no Pará.

Depois de 12 anos com diversos empreendimentos ligados ao chocolate, além de uma série de cursos para aprimorar a arte de trabalhar com a amêndoa do cacau, Mendes iniciou a sua mais recente produção em Santa Bárbara, em 2013. O local é uma fábrica artesanal de pequeno porte e ao mesmo tempo um laboratório de sabores, aromas e texturas, onde o chocolatier faz criações que impressionam os olhos e o paladar de degustadores do Brasil e do mundo.

“Aqui temos o cuidado de escolher quais sementes utilizaremos e como será o processo. Cada tipo de barra e sabor tem a nossa assinatura como resultado de uma longa pesquisa que pode ser conferida em nossas embalagens. Temos um chocolate que é feito do cacau selvagem do Jari e leite de búfala, outro que é feito do cacau colhido por uma associação de mulheres de Barcarena. Todos com diferentes níveis de concentração de cacau e outros elementos naturais. Assim, além do sabor único, de alta qualidade, nós destacamos que o Pará é a origem destas amêndoas, que devem ser mais valorizadas pelo mercado”, explica Mendes.

Em sua fábrica, a linha de produção inicia ainda na seleção das amêndoas, que são torradas, trituradas e depois transformadas no produto base que dará origem aos diversos tipos de sabores. Os seus chocolates já participaram de diversas feiras internacionais, onde conquistaram o paladar e a preferência de especialistas. Hoje, mesmo com uma produção em pequena escala, ele já exporta para outros estados e países.

“Graças ao incentivo que recebemos da Sedap, principalmente com o FunCacau, que tem nos possibilitado participar de eventos nacionais e internacionais, além das capacitações técnicas, podemos levar o nosso chocolate para diversos mercados. Hoje a De Mendes foca no mercado goumert de luxo e já fornecemos para restaurantes em São Paulo e Rio de Janeiro, além de várias encomendas que recebemos de lugares como Nova York e Europa. Estes lugares já reconhecem o Pará como uma referência na produção de chocolates de alta qualidade”, detalha Mendes.

Ainda em Santa Bárbara, outro empreendimento no ramo chocolate também chama a atenção. A fábrica Amazônia Chocolates, do empresário Alexandre Távora, desenvolve desde 2011 um empreendimento de maior porte, considerado de média escala de produção, de chocolate feito com amêndoas exclusivamente orgânicas compradas do município de Medicilândia. Com uma receita que não possui conservantes, corantes e preservando o máximo do sabor do cacau amazônico, Alexandre produz em média 500 quilos de chocolate por mês e já tem conquistado clientes em vários estados brasileiros.

“Nós estamos buscando aqui principalmente o mercado de exportação e temos conseguido bons resultados com isso. O nosso cacau é competitivo e de ótima qualidade e nós fazemos uma seleção rígida dos grãos que chegam aqui. Além disso, a nossa linha de produção nos permite controlar até mesmo a granulação e a intensidade do cacau ainda na sua fase de licor, que é a base do doce. Desta forma conseguimos inovar testando diversas variações de chocolate antes de colocar no mercado” detalha Alexandre.

Se a De Mendes tem em seu forte a assinatura de um chocolate autoral e goumert, a Amazônia Cacau de Alexandre traz uma marca competitiva que pode atender tanto o grande mercado quanto o público especializado, devido à qualidade e o sabor dos tipos de chocolates produzidos em sua fábrica.

“O grande diferencial do nosso chocolate paraense é que usamos de fato o cacau. Não temos gordura hidrogenada e diversos produtos químicos que induzem o sabor no paladar do consumidor. O Mendes também tem esta preocupação. Ao provar o nosso chocolate o cliente tem o impacto no aroma, na permanência do gosto, suavidade e isso sem contar os benefícios para a saúde, pois o chocolate de verdade pode ser considerado um alimento funcional. Em breve, nós lançaremos também uma linha diet”, detalha Alexandre.

Festival
Os chocolates De Mendes, Amazônica Cacau ou as outras marcas da Amazônia estarão no 4º Festival Internacional de Cacau e Chocolate da Amazônia, que será realizado no Hangar Centro de Convenções, no mesmo período do 16º Flor Pará e a exposição de peças produzidas no Polo Joalheiro. Os três eventos compõem a “Trilogia da Sedução”.
No Hangar estarão montados diversos estandes para o público com o objetivo de divulgar, informar, criar novas oportunidades de negócios, e claro, promover a degustação e a venda do chocolate paraense. O evento tem o apoio do Governo do Estado do Pará e serve como uma vitrine nacional e internacional para a produção do chocolate paraense.

Sobre o FunCacau
O FunCacau é um fundo de fomento, único no Brasil, que investe em insumos, na capacitação, assistência técnica e apoio de investimentos em ações e eventos ligados a produção do cacau e seus derivados. O poder público e o setor privado integram este fundo, que é presidido pelo Governo do Estado, que também possui a participação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e Serviço de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O recursos do FunCacau também incentivam 334 produtores em municípios próximos de Belém, como Santa Bárbara, Moju, Acará, Santa Isabel, em Ananindeua (Ilha Pilatos) e Benevides. Até o momento, foram doadas 150 mil mudas, que devem produzir em três anos mais de 150 toneladas de amêndoas. Além disso, estas populações receberão também treinamentos técnicos sobre a fabricação dos chocolates, embalagens, corte e costura.
Por Diego Andrade - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário