quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Prêmio de Jornalismo em Turismo agraciou trabalhos e debateu estratégias para setor

Cerca de 200 pessoas compareceram ontem quarta (28) à noite para a solenidade de entrega do III Prêmio de Jornalismo em Turismo Comendador Marques Reis, no teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas. A premiação, realizada pela seção paraense da Associação Brasileira de Jornalismo em Turismo (Abrajet-Pará), Secretaria de Estado de Turismo (Setur) e Secretaria de Comunicação do Estado do Pará (Secom), avaliou 672 trabalhos de 234 participantes inscritos em 12 estados brasileiros na edição deste ano.

 Além das premiações das três primeiras colocações em cada uma das categorias: Jornalismo Impresso; Jornalismo Online; Radiojornalismo; Telejornalismo e Fotojornalismo, pela primeira vez o prêmio também incluiu trabalhos em uma nova categoria, a #MeuBemPará, que reconheceu a qualidade de imagens compartilhadas por dez fotógrafos com internautas e em interação com diversas redes sociais.

Os prêmios foram de R$ 10 mil (1º lugar), R$ 8 mil (2º lugar) e R$ 5 mil (3º lugar) em cada uma das grandes categorias, além de R$ 2 mil para cada um dos dez premiados na categoria #MeuBemPará. Essa categoria foi a mais procurada: somou 522 inscrições.

Os grandes vencedores da noite foram: Eduardo Lopes (Jornalismo impresso), com a matéria “A fantástica fábrica de chocolate”, para a Revista Iate; Paulo Rogério Ribeiro Fernandes (Telejornalismo), pela série “Belém 400 anos”, da TV Liberal; Jorge Vidal (Radiojornalismo), com a matéria “Ilha de algodoal: paraíso do turismo”, para a Rádio Cultura FM; e Tarso Sarraf (fotojornalismo), com o trabalho “Olhares nativos do Ver-o-Peso”, para a Revista Amazônia Viva (ver abaixo a lista completa dos premiados).

Kamille Cunha, vencedora na categoria Webjornalismo, pela matéria “Belém: na vanguarda da cultura do País”, produzida para o site Chicken or Pasta, também foi agraciada com o Grande Prêmio do Júri da edição deste ano. As premiações também incluem viagens pagas aos vencedores, com apoio dos parceiros do prêmio de jornalismo.

Com o objetivo de atrair a atenção da mídia nacional e internacional para o turismo no Pará e reconhecer profissionais de comunicação especializados em turismo - para o desenvolvimento do setor no Brasil -, o prêmio tem patrocínio do Banpará e apoio da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav-Pará), Associação Brasileira de Jornalismo em Turismo (Abrajet), Sindicato das Indústrias Minerais do Pará (Simineral), Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará (Sinjor), HS Criações e dos hotéis Atrium, Itaoca, Ibis e Grand Mercure.

“É muito importante esse incentivo a quem está no dia-a-dia da profissão. É algo que engrandece a cobertura em turismo e favorece muito a produção de muito mais produtos pensados justamente para esse fim”, avaliou o fotógrafo Tarso Sarraf, vencedor na categoria fotojornalismo.

“Nesse momento de transição do jornalismo, com tantas mudanças, ver resistir uma premiação como essa é fundamental. É uma grande valorização”, avalia a jornalista Kamilla Cunha, premiada com a primeira colocação na categoria para webjornalismo e também agraciada na noite de ontem com o reconhecimento do Grande Prêmio do Júri desta edição da premiação, pela matéria “Belém: na vanguarda da cultura do País”. Kamille passou a atuar há dois anos no webjornalismo, após deixar dez anos de trabalho na redação do jornal carioca O Dia.

“O jornalismo em turismo é algo muito divertido de fazer, e ainda mais na internet, justamente pelo grande retorno imediato de quem tem contato com o material. O Brasil é um País com potencial turístico enorme, o que cria um bom nicho de atuação em jornalismo. E a atual efervescência cultural do Pará está levando o Brasil a descobrir essa região cada vez mais”, pondera a jornalista, que acompanhou de perto, como jornalista cultural, nos últimos anos, várias movimentações em torno do cenário musical paraense, em especial dos festivais Se Rasgum, Terruá Pará e Conexão Vivo.

Cadeia estratégica
“Esse prêmio é o resgate de um grande incentivo à cobertura jornalística ligada à economia do turismo, que é um foco vital para o desenvolvimento do Pará, apontado no seu planejamento estratégico econômico previsto para até 2030. É uma cadeia que une culturas, funde economias locais, estadual e nacional, difunde nossas belezas naturais e também o respeito à nossa natureza. 

Afinal também caminhamos cada vez mais para isso, para o desenvolvimento da chamada indústria sem fumaça, o que também é importante para a Amazônia”, avaliou o jornalista Samuel Mota, secretário-adjunto da Secretaria de Comunicação do Estado Pará (Secom).

“É crucial reconhecer o trabalho de comunicação que expõe a importância do turismo como atividade econômica para o Pará. É um trabalho vital para divulgar e promover o setor e esse destino fantástico que é o Pará, a obra-prima da Amazônia”, ressaltou Adenauer Góes, titular da Secretaria de Estado de Turismo do Pará (Setur).

Góes lembrou que o Pará já vem trabalhando com o planejamento para os setores do turismo e da gastronomia desde 2001, e isso se alia à recente decisão do governador Simão Jatene de lançar o plano de desenvolvimento econômico do Estado, o Pará 2030. “Planejamento, compromisso, comunicação, agilidade, parceria e proatividade são fundamentais para os rumos da implantação desse plano para o Estado, e que já tem a meta de tornar o Pará destino-líder da pan-amazônia até 2020. Só o desenvolvimento econômico pode transformar e melhorar a situação social de nosso estado, e hoje o turismo é um dos setores-chave para esse esforço”, asseverou o titular da Setur.

Se alia a esse pensamento a opinião do cineasta David Schürmann, que foi palestrante convidado da noite de premiação de ontem. “Eu queria contar uma história unindo dor e beleza. Precisávamos de locações de grande beleza natural intocada no Brasil, e esse foi o caso de Vigia, no Pará”, conta Schürmann, que é o diretor do filme “Pequeno Segredo” – o concorrente brasileiro indicado à categoria de melhor filme estrangeiro para a próxima edição do Oscar.
O filme foi realizado com locações que incluíram gravações em Vigia de Nazaré e São Caetano de Odivelas, com apoio da Setur. “Pequeno Segredo” será exibido nesta quinta (29), no Teatro Maria Sylvia Nunes (Estação das Docas, às 18h30) – como parte do último dia da programação da Setur que vem comemorando a Semana Mundial do Turismo, desde a última segunda-feira (26). Para a plateia de ontem, David Schürmann traçou análises entre a relação das indústrias do cinema e do turismo, em especial para a Amazônia.

“O cinema é uma indústria de impacto baixo e de grandes retornos em renda. Além disso, é uma grande vitrine, especialmente para a economia do turismo. E para a marca Brasil, que já é bastante conhecida, a do Rio de Janeiro, de Salvador, agora esse filme ajuda também a consolidar ainda mais a marca do Brasil na Amazônia. E com nossa indicação ao Oscar, o mundo inteiro pode ver as riquezas do Pará”, aponta Schürmann.

“O turismo tem também muito isso: viajantes que estão sempre buscando novos destinos, e essa é a vantagem de se divulgar as belezas da Amazônia. E é muito feliz que isso esteja sendo feito no governo do Pará de uma maneira pensada estrategicamente, com retorno planejado para os anos que virão”.
Publicitário premiado no exterior, antes de consolidar sua carreira como cineasta, Schürmann citou como exemplos do bom casamento entre o cinema e o turismo os números do investimento em cinema na Nova Zelândia - que se reverteram também em divisas para o turismo, como no caso das marcas ligadas à trilogia “O Senhor do Anéis”, entre outras. “Mais de US$ 3 bilhões foram gastos só com o setor audiovisual nesse país, o que se reverteu em retorno ao turismo e também para a atração de outras produções cinematográficas”, pontou.

Formado na Nova Zelândia, David Schürmann é um dos integrantes da Família Schürmann, que se celebrizou por viajar ao redor do mundo a bordo de um veleiro - e a transformar isso em produtos audiovisuais de qualidade, voltados ao jornalismo cultural, ambiental e de turismo. David iniciou carreira aos 19 anos, ao desembarcar do veleiro da família para estudar cinema na Europa. Atuou desde então como diretor de televisão, dirigiu longa-metragens, séries para TV e filmes publicitários em mais de 40 países, conquistando prêmios no Brasil e no exterior.

“O futuro do turismo depende do cuidado com os atrativos, e também em saber escutar as pessoas de cada lugar”, pondera o cineasta, relatando suas experiências, antes de disparar a frase que resumiu todo o sentido da premiação de ontem - e de todos os aspectos do esforço do Pará para alavancar a sua economia, com a ajuda do turismo gastronômico e cultural e da divulgação das suas belezas naturais. “Uma viagem pode transformar a vida inteira de uma pessoa”, resumiu Schürmann.

III PRÊMIO DE JORNALISMO EM TURISMO
Os premiados por categoria:
Jornalismo impresso
1º - “A fantástica fábrica de chocolate”, de Eduardo Vessoni Lopes, para a Revista Iate;
2º - “Passo tranquilo”, de Diego da Silva Moura, para O Estado de São Paulo;
3º - “Turismo à moda marajoara”, de Brenda Pantoja, para a revista Amazônia Viva.


Fotojornalismo
1º - “Olhares nativos do Ver-o-Peso”, de Tarso Sarraf, para Revista Amazônia Viva;
2º - “Belém 400 anos”, de Raimundo Paccó, para a revista MAP Linhas Aéreas;
3º - “A beleza da fé sobre as águas”, de Nei Marcondes, para o Diário do Pará.


Telejornalismo
1º - Série “Belém 400 anos”, de Paulo Rogério Ribeiro Fernandes, para a TV Liberal;
2º - “Partiu férias: Belém e ilhas de Cotijuba e Outeito”, de William Israel Serique, para TV Globo (programa “Como será?”);
3º - “Ópera na floresta”, por Alessandra Barreto, para a TV Globo (Jornal Nacional).


Radiojornalismo
1º - “Ilha de algodoal: paraíso do turismo”, de Jorge Vidal, para a Rádio Cultura FM;
2º - “A tradição do Pavulagem”, de Cira Pinheiro, para a Rádio Liberal FM;
3º - Série “Embarque imediato”, de Bebel Chaves, para a Rádio Cultura FM.


Webjornalismo
1º - “Belém: na vanguarda da cultura do País”, de Kamille Cunha, para o site Chicken or Pasta;
2º - “Círio de Nazaré: um ato de devoção”, por Jefferson Severino, para Turismo Online;
3º - “Ópera do Marajó”, de Paulo Roberto von Atzingen, para o Diário de Turismo.


Grande Prêmio do Júri
Belém do Pará: na vanguarda da cultura do País”, de Kamille Cunha, para o site Chicken or Pasta;


#meubempara
Clássicos embalos. Afuá – Pará- Nailana Thiely Salomão Pereira
Crepúsculo Santareno 8 - Emir Hermes Bemerguy Filho
Alma da cidade- Jose Leandro Gomes de Souza
Rema - Deia do Socorro Pinheiro Lima
Forte - João Paulo da Costa Guimarães
Ver-o-Peso Tempo - Sebastião Valério Silveira do Nascimento
Cachoeira da Lagoa Azul no distrito de Cachoeira da Serra - Altamira – PA - Wilson Soares de Oliveira
 

Entardecer em Pindobal - Wendell Azevedo de Medeiros
Flora regional - Anderson José da Costa Coelho
Curtir o Pará - Maria do Socorro Chuva Simonetti

Por Lázaro Magalhães - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário