quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Servidores da Sefa são presos por corrupção no Pará

A Polícia Civil prendeu sete servidores públicos da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefa) nesta quinta-feira (20). Eles são acusados de corrupção ativa. Todos são lotados na Coordenação Executiva Regional de Administração (Cerat) de Altamira. Entre os presos estão o coordenador da unidade, auditores fiscais e funcionários do quadro de apoio. As prisões fazem parte da operação 'Virtualis', deflagrada hoje pela Polícia Civil. A ação desarticulou um esquema de fraude ambiental cometidas no ano de 2013. O esquema envolvia 60 empresas madeireiras no Pará. 

Os servidores presos hoje são acusados de cobrar propina para liberar carregamentos sem documentação nos municípios de Uruará e Pacajá. Um motorista da Sefa, que tem salário líquido de R$ 2 mil, foi encontrado com R$ 22 mil em dinheiro. O montante estava dividido por data e quantia.

Segundo a delegada Juliana Cavalcante, da Divisão Especializada em Meio Ambiente (Dema), a polícia ainda investiga há quanto os servidores praticavam o esquema. 'Percebemos que esse motorista, com quem encontramos o valor de R$ 22 mil, liderava os outros servidores do mesmo nível salarial dele, como outros motoristas e assistentes administrativos', revelou.

As propinas variavam entre R$ 300 e R$ 500. De acordo com o delegado geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, a cada notificação em que deveria ser cobrado valores entre R$ 7 a R$ 10 mil em impostos, os servidores deixavam de repassar entre R$ 300 e R$ 500 ao fisco estadual. 'Os servidores criaram um Estado paralelo, onde eles mantinham uma tabela de arrecadação diária. A corrupção estava institucionalizada e os servidores não tinham um padrão de vida condizente com o que recebiam pelas suas funções como servidores público', disse.

Foram cumpridos mandados de prisão, busca e apreensão e condução coercitiva nas cidades de Belém, Benevides, Altamira, Uruará, Tomé-Açu, Pacajá, Senador José Porfírio, Dom Eliseu, Moju e Nova Esperança do Piriá. Fora do Pará foram cumpridos mandados nas cidades de São Luís (MA), Juazeiro e Feira de Santana (BA).

Além dos servidores públicos, outras sete pessoas foram presas por corrupção ativa. Todos foram encaminhados para a Delegacia Geral, em Belém, e depois levados ao sistema penitenciário do Estado. Os servidores públicos ficarão presos no Centro de Recuperação Especial Coronel Anastácios das Neves, para onde são encaminhados os presos servidores públicos do Estado do Pará.
O ORM News entrou em contato com a Sefa para posicionamento oficial sobre o caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário