sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Consumidores precisam de atenção na hora das compras

A ida até às lojas, supermercados e centro comercial da cidade nesse período das festas de final de ano exige um cuidado maior por parte dos consumidores, uma vez que os estabelecimentos ficam lotados de clientes e também de oportunistas que se aproveitam do descuido das pessoas para subtrair objetos. O principal alerta da polícia é evitar o efeito surpresa, já que os criminosos se aproveitam do descuido para cometer o crime.

Rosa Fonseca, de 40 anos, esteve no centro comercial na manhã de ontem para comprar alguns objetos. Ela chamou a atenção por caminhar agarrada em sua bolsa. A atitude de espanto se deve ao episódio de violência de que foi vítima há dois anos, na Travessa Frutuoso Guimarães com a Rua Gaspar Viana. Ela caminhava pelo local quando foi surpreendida com dois adolescentes rumando em sua direção. Um deles puxou o cordão que ela usava e o outro puxou a bolsa.

“Eu tomei um susto. O comércio estava lotado, como está hoje, mas eles não se intimidaram: me atacaram na frente de todo mundo. Eu fiquei muito assustada e até hoje sinto medo de andar por aqui. Eu só venho mesmo porque é necessário”, declarou. A ambulante Neila Lobato, que trabalha há cinco meses em uma barraca de roupas, diz que é comum presenciar crimes de furtos e roubos na Rua Santo Antônio.

Em casos de roubo, Neila explicou que os criminosos aproveitam o momento em que as vítimas estão falando no telefone celular ou quando estão com as bolsas expostas. Em caso de furto, eles cometem o crime no momento em que as ruas estão tumultuadas. Ela disse ainda que quando percebe que os clientes estão desatentos ela chega a alertá-los, mas não é a todo momento que dá para avisar.

Isabel Silva foi vítima de furto há cinco anos na área do Ver-o-Peso. Ela estava caminhando quando um vendedor de sacolas se aproximou para lhe oferecer o produto. Em um minuto de descuido ele tirou o dinheiro de dentro do bolso de sua bermuda. “Foi uma ação rápida. Ele me ofereceu as sacolas e rapidamente puxou o meu dinheiro. Somente segundos depois eu percebi o truque”, disse a frequentadora do comércio.

Depois desse episódio ela passou a tomar mais cuidado nos momentos em que precisa frequentar o centro comercial. Dentro da bolsa ela guarda apenas a sombrinha e um documento de identificação. O dinheiro fica escondido em várias partes do vestuário. “Não dá pra andar distraído por aqui, porque eles atacam mesmo”, disse Isabel.

Segundo a delegada Cynthia Viana, da Seccional do Comércio, embora a movimentação do centro comercial já esteja intensa as ocorrências estão sob controle. Cynthia acredita que o aumento do efetivo e o pré-planejamento da segurança pública sejam os principais fatores que contribuíram para a redução de ocorrências na unidade policial.

“O nosso efetivo está com bastante reforço e a presença da polícia tem evitado as ocorrências nessas áreas”, esclareceu a delegada. Mas ela diz que a redução da violência também depende do cuidado das pessoas e o principal alerta é evitar o efeito surpresa. “Durante os procedimentos das nossas ocorrências nós percebemos que as pessoas são vítimas por estarem distraídas”, completou.

Apenas no mês de dezembro ela presenciou duas ocorrências de pessoas que tiveram os telefones celulares roubados enquanto conversavam sentadas na direção da janela do ônibus. Os criminosos aproveitaram o descuido da vítima e puxaram o aparelho de fora do coletivo. (O Liberal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário