quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Correios contabilizam prejuízos após incêndio em Santarém

A gerência regional dos Correios ainda deve finalizar o balanço dos prejuízos causados pelo incêndio que atingiu o Centro de Distribuição Domiciliar (CDD), que fica na avenida Anísio Chaves, bairro Aeroporto Velho em Santarém, oeste paraense, ocorrido no noite de ontem terça-feira (3). Uma perícia deve ser feita no galpão para apontar as causas do incêndio. A principal suspeita é de que o fogo tenha começado após um curto circuito causado depois de uma queda de energia elétrica na cidade. Nesta quarta-feira (4), não houve expediente administrativo e os funcionários ficaram parados, do lado de fora do prédio aguardando um posicionamento da gerência.
Apenas os carteiros tiveram serviço, isso porque parte das correspondências haviam sido separadas para distribuição e não foram tomadas pelo fogo. O incêndio destruiu vários documentos, cartas e encomendas. Toda a mercadoria que chegou da capital foi consumida pelas chamas. A rede elétrica do prédio ficou totalmente comprometida.

O fogo começou por volta de 22h30 de ontem terça-feira (3) e foi controlado pelo Corpo de Bombeiros em um trabalho que durou cerca de uma hora.

O primeiro a perceber que o prédio estava pegando fogo foi o vigilante que estava de plantão. Ele disse que faltou energia na cidade e quando voltou, percebeu a fumaça saindo do prédio e acionou o Corpo de Bombeiros de imediato. Toda a mercadoria queimada ainda passaria pelo serviço de despacho no sistema do órgão e depois seguiria para a entrega.

De acordo com o supervisor da central de distribuição, Risonei Sousa, somente após a perícia órgão deve contabilizar o prejuízo para que os donos sejam ressarcidos pelos danos. “Essa mercadoria chegou ontem e nem havia sido conferida. 

O que não tivermos de nota, vamos solicitar de Belém. No momento que a gente confirmar, vamos lançar no sistema. A pessoa de casa, se ela tiver rastreando o seu objeto, ela vai ter como verificar alguma informação. Depois vamos estar encaminhando para o setor de indenização”, afirma.
(G1 Santarém)

Nenhum comentário:

Postar um comentário