terça-feira, 14 de março de 2017

Lula afirma à Justiça ter medo de ser preso

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em depoimento à Justiça Federal nesta terça-feira, 14, que teme ser preso. "O senhor sabe o que é levantar todo dia achando que a imprensa está na porta da minha casa porque eu vou ser preso?", questionou o petista ao juiz federal Ricardo Augusto Soares Leite, da 10.ª Vara Federal. O interrogatório de Lula começou por volta das 10h10. Essa é a primeira vez que o ex-presidente é questionado em juízo como réu em ação penal relacionada à Operação Lava Jato. O petista é acusado de ser o mandante da tentativa de compra do silêncio do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró. Segundo Lula, todos os dias são publicadas notícias de que ele será citado em novas delações premiadas, o que gera apreensão. "Nos últimos anos tenho sido vítima quase de um massacre", lamentou.

Lula afirmou que os dados da acusação feita pelo ex-senador Delcídio Amaral contra ele são "falsos" e que não entende qual foi o objetivo do senador cassado ter contado tantas "inverdades". Ele insinuou que Delcídio teria firmado o acordo de delação apenas para sair da cadeia e jogar a culpa "nas costas" dos outros.

Ele negou que tivesse interesse de impedir que Cerveró firmasse acordo de delação premiada. "Só tem um brasileiro que poderia ter medo do depoimento do Cerveró, que é o Delcídio. Ele já tinha convivência com Cerveró antes do meu governo. Todo mundo sabia da relação histórica dos dois", contou.

O ex-presidente afirmou ainda que não conhece Cerveró e que não tinha convivência com ele. Lula disse que não tinha receio do depoimento de nenhum diretor da Petrobrás porque não tinha relação com eles.

"Estou aqui para responder toda e qualquer pergunta. Se tem um brasileiro que quer a verdade sou eu", declarou no início do interrogatório. Ele iniciou a sua fala relembrando a história do PT como partido político e conquistas do seu governo. "Me ofende profundamente a acusação de que o PT seria uma organização criminosa", declarou. (Estadão)

Nenhum comentário:

Postar um comentário