sábado, 18 de março de 2017

Sob vaia, Papão passa sufoco, mas vence Galvez e segue na CV

Poderia ser uma noite cheia de alegrias para o torcedor do Paysandu. O time até conseguiu vencer o Galvez dentro da Curuzu, em Belém, e se classificar para a segunda fase da Copa Verde, mas o placar de 2 a 0 não foi digno de aplausos. A partida terminou sob muitos protestos da arquibancada e com grande polêmica acerca de um pênalti reclamado pelo Galvez, aos 46 minutos do segundo tempo, antes do segundo gol do Papão.O Paysandu saiu para o jogo no primeiro tempo e foi recompensado com um chutaço de Diogo Oliveira, aos 30 minutos. Na segunda etapa, o Imperador acreano foi quem conseguiu os melhores lances de perigo e reclamou de um pênalti não marcado no finalzinho. O jogo seguiu e, na sequência, Bérgson fechou o placar da partida em outro chute de fora da área.

Saiba como foi a partida lance a lance aqui!
Apesar das críticas, o Clube de Suísso está classificado à segunda fase da competição e espera o vencedor do duelo entre Águia e São Raimundo (RR), que se encontram neste domingo (19), no Zinho Oliveira, em Marabá, com vantagem do empate para o time roraimense.
A segunda fase da Copa Verde está prevista para acontecer nos dias 29 de março e 2 de abril.

1º tempo: Paysandu sufoca e Diogo Oliveira faz golaço, mas Galvez assusta

A necessidade de vencer para poder continuar vivo na Copa Verde transformou o primeiro tempo em um jogo de ataque do Paysandu contra a defesa do Galvez. Aos quatro minutos, o cruzamento de Ayrton foi na cabeça de Leandro Cearense, que mandou por cima da trave. A pressão era toda alviazul e, aos 10, Ricardo Capanema desarmou Nenem na intermediária e soltou uma pancada para a bela defesa de Maximo. Aos 15, porém, o goleiro ficou só observando quando Diogo Oliveira resolveu arriscar. A bola desviou em Rafael e saiu muito perto do ângulo esquerdo do Imperador.

Apesar de tímido em termos ofensivos, o Galvez tirou o fôlego dos bicolores aos 17 minutos. No lance, Tiaguinho partiu pela esquerda, chegou à linha de fundo com tranquilidade e cruzou na área. A bola passou na frente de Ferrari e atravessou a pequena área inteira sem ser incomodada.

Dez minutos depois, o Papão voltou ao ataque, mas pela esquerda. Em cruzamento na área, Gilvan subiu sozinho, dentro da área que deveria ser de soberania do goleiro, e testou por cima do gol. As lamentações seguiram até os 30 minutos, quando Diogo Oliveira foi acionado por Leandro Cearense e mandou um balaço de canhota. A bola foi no ângulo de Maximo, que só olhou. Papão 1 a 0.

Aos 41, Diogo Oliveira recebeu novamente de Leandro Cearense e, praticamente da mesma posição, soltou o pé direito para mandar no mesmo ângulo direito de Maximo, que não deixou o filme se repetir e voou para espalmar a redonda pela linha de fundo. Já aos 44, o Galvez saiu em mais um dos poucos contra ataques que teve e Ciel lançou Ferrari na área. O camisa 9 do Imperador tentou a finalização de letra e mandou a bola perto da trave, mas o lance foi anulado por impedimento do atacante.

2º tempo: pressão do Galvez, pênalti não marcado e classificação bicolor sob vaias

A gana mostrada na primeira etapa pelos jogadores do Papão formaram um clima de expectativa positivo na Curuzu. A frustração veio ainda aos três minutos, quando uma saída errada do lateral esquerdo Wilian Simões provocou o contra ataque com Ciel, que lançou Ferrari dentro da área. O camisa 9 do Imperador chutou de primeira e mandou na rede pelo lado de fora. 

O Paysandu conseguiu responder dois minutos depois, com Ayrton, que recebeu o passe de Diogo Oliveira e mandou uma bomba que parou na mão esquerda de Maximo, mas, aos 14, o cruzamento na área passou batido pelo goleiro bicolor, Emerson, e encontrou Rafael, que cabeceou para o gol vazio. A bola só não entrou porque bateu em Ferrari e saiu pela linha de fundo.

O Galvez começou a crescer na partida e o panorama inverteu-se. O Papão passou a jogar no contra ataque, enquanto que o time acreano comandava as ações. Aos 21, Ayrton se vestiu de 'andorinha' e tentou fazer verão, driblando três jogadores dentro da área do Imperador, mas o chute foi travado. A bola saiu pela linha de fundo.

Liderado pelo meia Kremer, os visitantes passaram a encurralar o Bicola. O reflexo disso foi a decisão do técnico Marcelo Chamusca em tirar o amarelado Ricardo Capanema para colocar Augusto Recife. O motivo foi medo de que o camisa 5 fosse expulso de campo, haja vista que o Paysandu só defendia e o Galvez se jogava ao ataque.

Já aos 46 minutos, o Imperador saiu pela esquerda com Ciel, que recebeu dentro da área, disparou e foi derrubado pelo zagueiro Fernando Lombardi. O árbitro tocantinense André Rodrigo Rocha (CBF) não marcou e, na sequência do lance, o Papão conseguiu aumentar o placar, com Bérgson, em um chute forte de fora da área. Fim de jogo e a classificação bicolor foi regada a muitas vaias e protestos da torcida, que fez questão de mostrar a desaprovação quando à atuação da equipe alviazul.

Ficha técnica (Paysandu 2 x 0 Galvez)

Paysandu - Emerson; Ayrton, Fernando Lombardi, Gilvan e Wilian Simões (Will); Ricardo Capanema (Augusto Recife), Wesley e Diogo Oliveira; Leandro Carvalho (Jhonnatan), Bergson e Leandro Cearense. Técnico: Marcelo Chamusca

Galvez - Maximo; Laion, Jô, Rafael e Tiaguinho; Kinho (Kremer), Renato (Marquinhos), Wilson e Ciel; Nenem e Ferrari (Tonho Cabañas). Técnico: Pablo Simões

Gols: Diogo Oliveira 30'/1ºT e Bérgson 47'/2ºT (Paysandu)
Cartões amarelos: Ricardo Capanema (Paysandu); Jô, Rafael, Tiaguinho, Nenem e Tonho Cabañas (Galvez)
Local: Curuzu (Belém/PA)
Data: 17/03/2017
Hora: 20h30
Árbitro: André Rodrigo Rocha - TO (CBF)
Auxiliares: Cipriano da Silva Sousa - TO (CBF) e Natal da Silva Ramos Júnior - TO (CBF)
Público: 5.184 (4.144 pag., 1.509 sócios e 1.040 cred.)
Renda: R$ 62.475,00
 Orm News

Nenhum comentário:

Postar um comentário