segunda-feira, 26 de junho de 2017

Diretores do BID se mostram animados com relatório da Seduc

Diretores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), integrantes da missão que desembarcou em Belém no último domingo (25), visitaram a Escola Estadual de Ensino Fundamental General Gurjão, no bairro da Cidade Velha, para verificar as realizações do Programa de Expansão e Melhoria da Qualidade da Educação Básica do Estado do Pará, executado pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), com recursos do BID. As ações realizadas dentro do programa visam mudar o padrão da educação no Estado. Acompanhados pela titular da Seduc, Ana Claudia Serruya Hage, eles foram recebidos por estudantes com apresentações de danças e músicas folclóricas, e receberam bombons de chocolate regional.

Para o diretor do BID no Brasil, Antonio Henrique Pinheiro Silveira, integrante da missão, “o problema da educação (no Brasil) não é só nosso, mas de toda a América Latina. Ficamos muito animados com o aprendizado que estamos tendo no Pará. É um exemplo que estamos trazendo para dentro do banco”. Ele acrescentou que o BID fará “uma discussão profunda para levar esse aprendizado para outros países, principalmente dos que compartilham a Amazônia”.

Assinado em dezembro de 2013, o contrato entre o BID e o Governo do Pará garante um investimento de US$ 351 milhões, sendo 57,3% do banco (200 milhões e 800 mil dólares) e 42,7% do governo estadual (150 milhões de dólares).

A secretária Ana Claudia Hage detalhou os projetos abrigados no Programa de Expansão e Melhoria da Qualidade da Educação Básica; demonstrou que, do valor financiado pelo BID, a Seduc já comprometeu 35%, mediante contratos em todas as áreas do programa, em projetos já em andamento ou em fase de licitação.

As obras de ampliação, reforma ou construção de novas escolas fazem parte da etapa inicial de um pacote de 88 projetos, que beneficiam 54 municípios, incluindo a capital. É um investimento de R$ 56,8 milhões (incluído o valor da reforma da sede da Seduc).
Estão em execução atualmente 17 obras, e em contratação, mais 13, para beneficiar 19 municípios: Belém, Bragança, Benevides, Ananindeua, Conceição do Araguaia, Inhangapi, Maracanã, Pau D’Arco, Salinópolis, Salvaterra, Santarém Novo, São Miguel do Guamá, Uruará, Cametá, Castanhal, Limoeiro do Ajuru, Acará, Abaetetuba e Terra Santa. As entregas estão previstas para 2018 e 2019.

Sistema Interativo - Essas obras fazem parte do eixo de ações “Expansão da Cobertura e Melhoria da Infraestrutura”, que prevê, além da melhoria física das escolas, a implantação de um novo modelo de ensino médio, o Sistema Educacional interativo (SEI), para expandir o ensino médio regular com mais 15 mil vagas, em localidades de difícil acesso em 37 municípios.

Além das obras, a secretária mostrou aos diretores do BID dados dos demais programas que a Seduc executa para melhorar o aprendizado e a qualificação de professores e gestores da rede estadual pública de ensino. Foram apresentados o “Projeto Mundiar”, destinado à aceleração da aprendizagem; “Aprender Mais”, que visa à recuperação de conteúdo; “Jovem de Futuro”, destinado à melhoria do desempenho da gestão escolar”; “Alfabetização”, que amplia a oferta, segundo meta do Pacto Nacional pela Alfabetização da Idade Certa - Pnaic); “Formação de Habilidades Sociemocionais” (Escola de Tempo Integral), e contratação, formação inicial e treinamento de professores e implantação de um Centro de Formação (Cefor), já em funcionamento.

O terceiro eixo apresentado foi o Programa de Gestão e Monitoramento da Rede Escolar e Avaliações (SisPAE), que contempla um sistema de gestão e macroprocessamento, avaliação em larga escala e capacitação de gestores. O SisPAE é utilizado pela Seduc para conhecer o avanço da proficiência de alunos em Língua Portuguesa e Matemática, avaliar a rede escolar e ajudar gestores e professores a readequar métodos próprios de ensino.

Aprendizado - Diretores do banco fizeram perguntas sobre vários assuntos, como a evasão escolar, que vem exigindo da Seduc um esforço global de gestão para eliminar gargalos que desviam alunos das escolas.

O diretor Antonio Silveira destacou em entrevista o empenho do governador Simão Jatene e da secretária Ana Claudia Hage, afirmando que “todos os membros da missão ficaram bastante impressionados com os dados que o programa apresenta”. 

Ao acrescentar que a avaliação dos programas é positiva, Antonio Silveira disse que “nos anima muito uma mensagem que a secretária Ana deu, com muita clareza, sobre o aprendizado que esse programa está permitindo ao Estado. Os erros iniciais foram muito importantes para o aprendizado da Secretaria, para a viabilização desses programas, e também para o Brasil em geral”.

A secretária Ana Claudia Hage, ao encerrar a apresentação, disse que o projeto é desafiador, e que “dá dignidade à educação quando o BID acredita no Pará”.
Por Nélio Palheta - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário