sexta-feira, 30 de junho de 2017

Rodoviários da Grande Belém aderem à greve geral nesta sexta

Os rodoviários da Região Metropolitana de Belém vão participar da greve geral organizada por centrais sindicais para amanhã (30) em todo o País, e tiraram posição de paralisar a circulação dos ônibus logo no começo desta sexta-feira. A mobilização começará nas garagens, com atos em frente ás empresas. Um milhão de passageiros são transportados pelos ônibus urbanos na RMB diariamente. 
Esses rodoviários expuseram um panfleto distribuído pelo Sindicato dos Rodoviários de Belém, indicando o posicionamento da entidade sindical quanto à greve geral e orientando motoristas e cobradores a participar do movimento nacional contra as reformas propostas pelo Governo Federal. 

 No panfleto distribuído nas garagens das empresas estava escrito: "Quando o sindicato mandar parar, é pra parar!". O dizer deixa bem claro a intenção dos rodoviários de aderir à greve geral. "Vamos nos unir às centrais sindicais para protestar em defesa dos nossos direitos e contra as reformas governistas e a falta de respeito para com a Constituição Brasileira", é enfatizado na comunicação sindical. 

Comércio
José Francisco Pereira, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT-PA), que reúne 40 sindicatos no Estado, disse que as categorias vinculadas à central irão se manifestar amanhã. "Vamos paralisar, porque estão tirando todos os direitos dos trabalhadores. Nós não podemos ficar com os braços cruzados", enfatizou. 

No dia 5 de julho, uma caravana de lideranças de trabalhadores da UGT-PA estará em 
Os rodoviários da Região Metropolitana de Belém vão participar da greve geral organizada por centrais sindicais para amanhã (30) em todo o País, e tiraram posição de paralisar a circulação dos ônibus logo no começo desta sexta-feira. A mobilização começará nas garagens, com atos em frente ás empresas. Um milhão de passageiros são transportados pelos ônibus urbanos na RMB diariamente. 

Esses rodoviários expuseram um panfleto distribuído pelo Sindicato dos Rodoviários de Belém, indicando o posicionamento da entidade sindical quanto à greve geral e orientando motoristas e cobradores a participar do movimento nacional contra as reformas propostas pelo Governo Federal. 

No panfleto distribuído nas garagens das empresas estava escrito: "Quando o sindicato mandar parar, é pra parar!". O dizer deixa bem claro a intenção dos rodoviários de aderir à greve geral. "Vamos nos unir às centrais sindicais para protestar em defesa dos nossos direitos e contra as reformas governistas e a falta de respeito para com a Constituição Brasileira", é enfatizado na comunicação sindical.

Comércio
José Francisco Pereira, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT-PA), que reúne 40 sindicatos no Estado, disse que as categorias vinculadas à central irão se manifestar amanhã. "Vamos paralisar, porque estão tirando todos os direitos dos trabalhadores. Nós não podemos ficar com os braços cruzados", enfatizou. 
No dia 5 de julho, uma caravana de lideranças de trabalhadores da UGT-PA estará em Brasilia (DF), para se manifestar junto ao Senado Federal. Está prevista para esta data a votação da reforma trabalhista pelo Senado, após o quê a decisão será encaminhada para sanção ou veto do presidente da República no prazo de 15 dias. 
Na greve geral desta sexta, haverá piquete de trabalhadores de supermercados e de shopping centers. A partir das 11 horas, sairá uma passeata de trabalhadores da Praça da República em direção à Praça do Operário, em São Brás. Na chegada, haverá um ato público, com pronunciamentos de lideranças e dirigentes de centrais sindicais. 
Várias categorias preparam-se nos últimos dias para a greve geral. Os bancários irão aderir à mobilização nacional. A paralisação foi decidida durante assembleia no dia 22, seguindo uma orientação nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf).
Servidores do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran) deverão participar da greve geral. Servidores públicos federais também vão aderir ao movimento nacional. De acordo com o  Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado do Pará (Sintsep-PA), haverá um ato em frente às sedes da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Instituto Evandro Chagas. 
Em outros municípios do Estado, estão previstos atos públicos a partir das 7 horas, em frente ao Incra, Ibama, ICMBio e Funasa.

UFPA, UFRA e Unifesspa
Os técnicos-administrativos da Universidade Federal do Pará (UFPA), da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Unifesspa aprovaram por unanimidade a deflagração de greve nas universidades desde os dias 8 e 14 deste mês. 

Brasilia (DF), para se manifestar junto ao Senado Federal. Está prevista para esta data a votação da reforma trabalhista pelo Senado, após o quê a decisão será encaminhada para sanção ou veto do presidente da República no prazo de 15 dias. 
Na greve geral desta sexta, haverá piquete de trabalhadores de supermercados e de shopping centers. A partir das 11 horas, sairá uma passeata de trabalhadores da Praça da República em direção à Praça do Operário, em São Brás. Na chegada, haverá um ato público, com pronunciamentos de lideranças e dirigentes de centrais sindicais. 

Várias categorias preparam-se nos últimos dias para a greve geral. Os bancários irão aderir à mobilização nacional. A paralisação foi decidida durante assembleia no dia 22, seguindo uma orientação nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf).

Servidores do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran) deverão participar da greve geral. Servidores públicos federais também vão aderir ao movimento nacional. De acordo com o  Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado do Pará (Sintsep-PA), haverá um ato em frente às sedes da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Instituto Evandro Chagas. 
Em outros municípios do Estado, estão previstos atos públicos a partir das 7 horas, em frente ao Incra, Ibama, ICMBio e Funasa.

UFPA, UFRA e Unifesspa
Os técnicos-administrativos da Universidade Federal do Pará (UFPA), da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Unifesspa aprovaram por unanimidade a deflagração de greve nas universidades desde os dias 8 e 14 deste mês. (ORM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário