sexta-feira, 9 de junho de 2017

Segundo pesquisa, trabalho infantil apresenta queda no Estado

Em um estudo realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), divulgado nesta sexta-feira (9), mostrou queda significativa no Trabalho Infantil no Estado do Pará e Região Norte. A diminuição apresentada é resultado do trabalho de milhares de pessoas, entidades e de algumas políticas de governo. Apesar disso, o número de crianças e adolescentes trabalhando sem nenhum tipo de remuneração ainda é muito grande.

Um dos motivos que contribui para que o trabalho infantil ainda apresente números expressivos, não só na Região Norte, mais em todo o Brasil, é a baixa remuneração das famílias que detêm menores e também pela falta de melhores oportunidades para os pais. Esse tipo de situação acaba se tornando mais preocupante diante do cenário político atual.

Com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNDA/IBGE, crianças com idade de 05 a 17 anos estão trabalhando. No caso da Região Norte, do total da população, cerca de 13,70% exercem algum tipo de trabalho. No Estado do Pará, fica em 15,70%. A partir dos dados, fica claro a complexidade e o tamanho do problema entre as grandes regiões do país, em especial na região norte. 
 
Em toda a região norte, em termos absolutos, com idade entre 05 a 17 anos estavam ocupadas em 2015, cerca de 311.102 crianças e adolescentes, deste total (em números absolutos e sem considerar a PEA – População Economicamente Ativa de cada Estado) o maior contingente (54,14%) situava-se no Estado do Pará, no período analisado eram cerca de 168.421 pessoas. A segunda maior concentração na Região Norte de trabalho de crianças e adolescentes entre 05 a 17 anos de idade (em números absolutos) estava no Estado do Amazonas com o total de 60.200 pessoas, equivalente a 19,35% do total do Norte, em seguida vinha o Estado de Rondônia com um total de 30.535 crianças e adolescentes.

No Pará com idade entre 5 a 9 anos tínhamos 8.760 crianças trabalhando, estes números representam cerca de 73,38% de todas as crianças ocupadas com idade entre 5 a 9 anos da região. Já com idade entre 10 a 14 anos, são cerca de 56,62%. Ainda de acordo com o Dieese, a principal atividade realizada pelas crianças são de serviços agrícolas.

Os dados que dizem respeito ao trabalho infantil sofreu uma variação nos últimos anos. As analises comparativas feitas pelo Dieese, mostram queda significativa tanto na região Norte, quanto no Pará. O número de crianças e adolescentes de apresentou uma queda de 23,81%. Essa diminuição é resultado da implementação de políticas publicas especificas voltadas para as crianças e adolescentes. (portal ORM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário