sábado, 15 de julho de 2017

Cirurgia bariátrica muda a vida de pacientes do Iasep

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 48% das mulheres e 50,1% dos homens acima de 20 anos estão com sobrepeso. No Pará, o número de pessoas com obesidade aumenta a cada dia e a cirurgia bariátrica vem se tornando uma importante aliada no tratamento. No Plano Iasep a cirugia bariátrica é realizada em cerca de 100 segurados por ano no estado.
Podem solicitar o procedimento, pacientes com idades de 18 até 65 anos. Para realizar a cirurgia, o candidato precisa estar com o Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 35 Kg/m², com complicações como apneia do sono, hipertensão arterial, diabetes, aumento de gorduras no sangue e problemas articulares, ou IMC igual ou maior que 40 Kg/m², considerada obesidade mórbida. Também são avaliados casos em que a pessoa não tenha obtido sucesso na perda de peso após dois anos de tratamento clínico, incluindo o uso de medicamentos.

"O objetivo da cirurgia da obesidade ou gastroplastia, como também é chamada, é de reduzir o peso de pessoas com o IMC muito elevado, restabelecendo o peso adequado dos pacientes diagnosticados com obesidade mórbida e que devido a isso acabam adquirindo outros problemas, como diabetes, hipertensão arterial, colesterol e triglicérides elevado", explica o auditor médico do Instituto, Hilmar Tadeu Ferreira.

Nos últimos seis meses os segurados do Iasep realizaram, através da rede credenciada, mais de 50 cirurgias de redução do estômago. Mensalmente a autarquia autoriza cerca de oito cirurgias, o equivalente a duas cirurgias por semana.

Ainda de acordo com o auditor médico, com a cirurgia bariátrica é possível perder, em média, de 30 a 40% do excesso de peso no primeiro ano e o restante nos anos subsequentes. "Na maioria dos pacientes, a cirurgia bariátrica traz benefícios no tratamento de todas as outras doenças relacionadas à obesidade. É possível uma melhora significativa de diabetes, do controle da pressão arterial e até alívio das dores articulares", explica Hilmar Ferreira.

A professora de espanhol Edla Cristina Costa, que em abril completou dois anos de operada, passa agora por outras cirurgias para a retirada do excesso de pele do abdômen e das pernas. 

Ela, que era diabética e hipertensa, percebeu que as dietas que fazia já não davam mais resultado e após acompanhamento médico completo com nutricionista, psicólogo, clínico e médicos de outras especialidades, foi encaminhada para a cirurgia bariátrica.
“Cheguei a comer pratos no almoço que pesavam mais de um quilo e não conseguia reduzir a quantidade, mas com as doenças que fui adquirindo e o apoio psicológico, cheguei à conclusão que a bariátrica era a única alternativa para mudar esse quadro. 

Fiz todo o tratamento pelo Iasep, exames, cirurgia, tudo. Tive médicos maravilhosos, pessoas que agradeço muito por terem cuidado de mim e me tratado tão bem. Não tenho o que reclamar do plano, ele foi maravilhoso para mim. Hoje tenho uma vida normal, como de tudo, o que mudou foi mesmo a quantidade. Deixei de tomar seis remédios por dia para tomar só um comprimido de vitamina”, detalhou a professora, que é funcionária temporária da Seduc do município de Senador José Porfírio.
 

 Edla, que tem 1,60 metro de altura e saiu dos 120 quilos para os atuais 65, aproveitou também a oportunidade para agradecer ao esposo, que segundo ela, sempre foi muito cuidadoso. “Ele nunca me constrangeu, sempre me aceitou do jeito que eu era e nunca reclamou do meu corpo. Quando fiz a cirurgia e durante todo o processo ele também sempre esteve ao meu lado. A única coisa que mudou mesmo foi o ciúme dele comigo, que agora aumentou bastante”, comentou sorrindo.

Procedimentos para a cirurgia bariátrica
Para a autorização do procedimento cirúrgico o segurado deve encaminhar ao Iasep a solicitação do médico, cinco laudos (psicológico, nutricional, cardiológico, pneumológico e endocrinológico) para garantir que a cirurgia tenha êxito e assegurar que o paciente esteja preparado emocionalmente.

"Antes da cirurgia, todo paciente precisa ser avaliado individualmente, devendo ser submetido a uma triagem aqui no Iasep, para medir o peso, a altura, e ver a possibilidade ou não do procedimento. Em seguida ele tem até trinta dias para realizar a cirurgia’’, informa o médico auditor.

Para um resultado seguro e eficaz da cirurgia anti-obesidade é fundamental uma mudança rígida nos hábitos alimentares dos indivíduos e primordial que o paciente mantenha um programa de atividade física, sob orientação de um profissional, para que os objetivos sejam alcançados e mantidos.

Mais informações na Central dos Segurados (Av. Gentil Bittencourt nº. 2175 - Bairro: São Braz), no horário de 9h às 14h. Telefone: (91) 3366.6115 (Regulação Médica)
Por Heloá Canali - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário