segunda-feira, 3 de julho de 2017

Confiança da sociedade é conquista em 162 anos de atividades

Profissão mais confiável para os brasileiros e em mais de 15 países, o Corpo de Bombeiros completa 162 anos de criação ontem domingo (2). O resultado dessa pesquisa, que mostra o grau elevado de confiabilidade da sociedade na corporação, é motivo para comemorar mais um ano de atividades;  Criado no Brasil ainda na época do Império para combater incêndios, ao longo dos seus mais de 100 anos o Corpo de Bombeiros foi se especializando e aumentando a gama de serviços prestados à população. De salvamento de animais que não conseguem descer de uma árvore a controle de grandes incêndios e resgate de pessoas do mar, o que não faltam é atribuições e grandes histórias para contar.
No Pará, o sargento Nelson Fernandes, 48 anos, sendo 26 na corporação, já guarda no currículo a realização de três partos. Mas, entre eles, um em especial lhe traz as melhores recordações. “Estava de plantão quando fomos chamados apenas para levar uma grávida para o hospital, já que a ambulância não chegaria a tempo. Mas a criança não aguardou e precisei fazer o parto dentro da nossa viatura. Foi um momento único na minha vida, e de grande emoção. Não tem nada mais emocionante e maravilhoso nesse mundo do que dar a vida à outra pessoa”, contou Nelson Fernandes, que na semana passada teve a oportunidade de reencontrar Kerolen, a menina que hoje tem 8 anos, e veio ao mundo por suas mãos.

Ainda de acordo com o bombeiro, durante anos de profissão os militares passam por diversas situações, e algumas delas não são tão agradáveis. “Nosso lema é salvar vidas, mas infelizmente já vi pessoas morrendo por não termos mais recursos para atender. Por isso valorizo demais os momentos em que podemos salvar alguém. Muitas pessoas chegam com a gente para agradecer, e isso vale muito mais do que ganhar uma medalha. Acredito que salvar vidas é a minha missão aqui na Terra”, complementou o sargento Nelson, que também é técnico de enfermagem.

Efetivo - Atualmente, no Pará existem 3.176 bombeiros, sendo 276 na formação de praças e 30 oficiais, dentre eles Bianca Oliveira, que está em formação. Ela, que trabalhava no Hospital de Clínicas Gaspar Vianna no setor administrativo, agora mudará sua vida completamente. “Entrei na corporação em busca de estabilidade no trabalho, e ainda não tinha a real noção do que era o serviço militar. Mas após todos os cursos e instruções a profissão foi me conquistando, e hoje vejo o quanto minha função é importante para a sociedade”, disse.

Prestes a se tornar soldado, Lucas Rodrigues, que veio do Maranhão para fazer concurso público no Pará, hoje se sente em casa. “Algumas etapas foram muito difíceis, mas estou muito feliz com a recepção que tive aqui no Pará. Sempre gostei de atividade física e sempre quis ser bombeiro, principalmente porque ele vai além do físico. O bombeiro dá a sua vida pela da outra pessoa, e sempre gostei disso, ajudar os outros sem querer nada em troca. Hoje, o Corpo de Bombeiros do Pará é a minha família”, afirmou.

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Pará, coronel Antônio Zanelli, é outro apaixonado pela profissão. “Nossa história surgiu junto com o desenvolvimento econômico de cada cidade brasileira, e à medida que elas se urbanizavam, nascia também a necessidade de se criar o Corpo de Bombeiros. Aqui no Pará fomos um dos primeiros, tanto que em novembro de 2017 já faremos 135 anos”, informou o comandante.

Inicialmente com o nome de aguaceiros, os bombeiros carregam algo além de mangueiras: a felicidade de salvar vidas. “Tem vida envolvida, o bombeiro vai em busca. Esse é o nosso principal lema e também nosso carro-chefe. Para você ser um bom profissional não basta apenas o vigor físico e preparo técnico. É necessário ter humanidade, amor e solidariedade no coração”, finalizou o coronel Zanelli.

Trabalho social - No Pará, atualmente 75% dos atendimentos envolvem resgates, salvamentos e acidentes de trânsito. Os demais 25% se dividem entre combate a incêndios e serviços sociais. Mas ainda sobram tempo e determinação para os projetos sociais.

O Corpo de Bombeiros Militar do Pará mantém três programas que atendem pessoas desde o nascimento até a terceira idade. O primeiro a ser criado foi o “Escola da Vida”, que há 25 anos atende crianças de 7 a 15 anos, em 17 municípios, que moram no entorno das unidades operacionais da corporação. Eles aprendem sobre civismo, disciplina, segurança e os símbolos nacionais. O objetivo principal é evitar que esses adolescentes sejam levados para a criminalidade.

Atuando há 15 anos em parceria com a Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, o projeto “Bombeiros da Vida” vem salvando bebês e crianças de até dois anos, cujas mães não conseguem amamentar. O excedente do leite materno é doado por outras mães, e os bombeiros vão às casas auxiliar na coleta, e assim ampliar o banco de leite humano da Santa Casa.

Para os idosos, a corporação está de portas abertas, com atividades de recreação, mobilidade, passeios, dança e inclusão social por meio do Projeto Reviver. Para se inscrever, basta ter a partir de 60 anos e procurar o quartel de Marituba (Região Metropolitana de Belém) ou ligar para (91) 3292-2288

Serviço: As inscrições para o Projeto Escola da Vida são realizadas uma vez ao ano, no início do ano letivo da rede estadual pública de ensino, em 23 polos de atuação do Corpo de Bombeiros. Mais informações pelo telefone (91) 4006-8368  A mãe que quiser doar leite materno pode ligar para os telefones 4009-2212 / 0800-727-2057 4009-0375.
Por Heloá Canali ´- Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário