segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Programa Jovem de Futuro produz bons resultados em escolas da região oeste

Aproximadamente 15 mil estudantes do Ensino Médio regular de 21 escolas da rede pública estadual dos municípios de Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos, na região oeste do Pará, vivenciam uma realidade participativa e democrática, discutindo e buscando soluções para os problemas diários do espaço escolar, juntamente com professores, técnicos e a direção dos educandários. Esse é o cenário do Programa “Jovem de Futuro”, gerido nesses municípios pela 5ª Unidade Regional de Ensino, vinculada à Secretaria de Estado de Educação (Seduc). O “Jovem de Futuro” é um programa de gestão escolar, realizado em parceria com o Instituto Unibanco, que objetiva melhorar os resultados da aprendizagem. 

As escolas recebem capacitação e assessoria técnica para planejar, executar, monitorar e avaliar uma proposta de melhoria de seus resultados. Ele visa mobilizar alunos, professores e famílias em torno de metas pactuadas para um mesmo objetivo: garantir que os jovens entrem, permaneçam, tenham um bom desempenho e terminem o Ensino Médio.

“Nas escolas onde o programa é desenvolvido nós trabalhamos por etapas: planejamos as atividades, executamos, monitoramos e avaliamos. Corrigimos o que é para ser melhorado, até chegar ao final do ano e verificar se a meta inicial foi alcançada”, explica o professor Sandro Massaranduba, que integra a equipe de supervisores do programa executado pela 5ª URE.

De acordo com a unidade gestora, o programa iniciou no segundo semestre do ano de 2015, com seis escolas inseridas, todas da área urbana de Santarém. Hoje são 21 estabelecimentos - um no município de Belterra, um em Mojuí dos Campos, um na zona rural e 18 na área urbana de Santarém.

Resultados
Segundo Sandro Massaranduba, após dois anos de implantação, o programa Jovem de Futuro já começou a colher bons resultados na área gerida pela 5ª URE. De acordo com o professor, entre os objetivos dos resultados de aprendizagem está o aumento da proficiência em Língua Portuguesa, Matemática e Ciências, comprovados por meio do aumento dos índices oficiais de educação.

“De 2015 a 2016 todas as escolas cresceram em termos de índices educacionais, tanto que Santarém, dentro do projeto das URE’s, está em primeiro lugar. O município conseguiu nesses dois anos aumentar o índice de aprendizagem dos alunos, tanto em proficiência em Língua Portuguesa e Matemática, quanto na questão do fluxo da taxa de aprovação. 

Lógico que ainda não é o suficiente, mas é inegável que houve uma melhora significativa com a implantação do projeto, porque torna mais participativa a gestão, assim como toda a comunidade escolar, tendo em vista que ao final do período letivo estamos certos de que vamos verificar a diminuição da evasão escolar, a aprovação e a absorção dos conteúdos pelos alunos”, reitera o professor.

Para contribuir com os objetivos do programa foi implantado o “Agente Jovem”, uma metodologia que promove o desenvolvimento de habilidades e atitudes que colaboram para o protagonismo juvenil, buscando despertar nos jovens uma corresponsabilidade para melhorar o espaço, criando uma nova relação com a escola, a partir do reconhecimento de seu papel como agente transformador.
(Samuel Alvarenga - Agência Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário