sábado, 2 de setembro de 2017

Combustíveis têm novos preços a partir de hoje

A Petrobras autorizou ontem novos reajustes de 4,4% no preço do diesel e de 2,7% na gasolina. O anúncio ocorreu menos de 24 horas depois de a estatal ter autorizado reajustes de 0,8% e 4,2% no preço desses mesmos combustíveis respectivamente. Com os novos reajustes, segundo o Departamento de Estatística e Estudos Socioeconômicos do Pará (Dieese/PA), a alta acumulada no preço da gasolina neste início de setembro já alcança cerca de 7% e do diesel chega a mais de 5,00 %. Estes novos aumentos entram em vigor a partir de hoje.
Segundo a Petrobras, os reajustes ocorrem por causa da disparada no preço do petróleo nos Estados Unidos, devido ao fechamento de refinarias no Texas em função da passagem do Furacão Harvey. O impacto desses aumentos para o consumidor final no Pará vai depender de uma série de fatores, entre os quais, os repasses das distribuidoras e as margens de comercialização dos postos de combustíveis.

Pela nova dinâmica de preços dos combustíveis da Petrobras, em vigor desde julho deste ano, os aumentos poderão ocorrer até diariamente. Nesse período, a Petrobras anunciou reajustes e reduções de preços, os aumentos foram de imediato repassado aos consumidores finais. Já as reduções tiveram uma outra dinâmica, chegando ao consumidor final de forma muito lenta e, muitas vezes, em percentuais bem aquém do estimado inicialmente pelo Governo. 

Segundo análise do Dieese/PA, altas nos preços dos combustíveis, principalmente do diesel, têm efeito dominó na economia. No caso específico do Pará, essa situação, dependendo do tamanho do repasse, deverá trazer novos impactos nos preços, principalmente da alimentação básica, em função de aumentos nos preços de fretes e na inflação. O Dieese/PA vai continuar acompanhando com pesquisas a trajetória dos preços dos combustíveis.

SINDICATO
Em face ao estudo divulgado ontem pelo Dieese-PA sobre o preço do diesel e da gasolina, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e Lojas de Conveniência do Estado do Pará (Sindicombustíveis-PA) informou que atua, de forma continua, para esclarecer a população sobre os motivos dos diversos aumentos de combustíveis.

No último mês, donos de postos de combustíveis de 24 estados, apoiados pelos sindicatos, iniciaram uma campanha para mostrar a insatisfação com o aumento da carga tributária que incide sobre os combustíveis e à população o quanto os tributos cobrados incidem diretamente no preço de cada litro de combustível.

Hoje, cerca de 50% do valor do litro da gasolina corresponde ao pagamento de tributos, distribuídos da seguinte forma: ICMS-PA, R$ 1,07; PIS/Cofins, R$ 0,79; Cide, R$ 0,10, totalizando R$ 1,996. O sindicato ressaltou que todos esses tributos se submetem ao regime de substituição tributária, onde não cabe ao posto revendedor fazer o recolhimento aos cofres públicos, o qual é efetivado pelas distribuidoras, não havendo, portanto, que se falar em sonegação de tributos pelos posros Revendedores.

De acordo com o Sindicombustíveis-PA, a responsabilidade das recorrentes alterações de preços é o reflexo da nova política de preços da Petrobras, que nos últimos 60 dias já fez mais de 44 reajustes, observando a variação internacional do preço do petróleo, o que passou a ser praticamente diário. (O Liberal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário