sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Pará é campeão do Norte em cadastros no Redome

Uma verdadeira rede solidária para facilitar a localização de doador e paciente compatíveis para a realização de transplante de medula óssea. Assim é o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome). No Pará, o responsável por esse cadastramento, desde 2002, é a Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Pará (Hemopa) que já enviou informações de 116 mil voluntários, fazendo com que o estado tenha o maior número de doadores inscritos na região Norte. A médica hematologista e diretora técnica do Hemopa, Ana Luiza Meireles, explica que quando um paciente precisa desse tipo de transplante e não possui irmão ou pais compatíveis, é necessário buscar um doador entre não familiares. 

“O Redome contém os dados pessoais de voluntários, além da informação genética deles, que através de um sistema informatizado são confrontados com os dados genéticos dos receptores para que se localize um potencial doador compatível”, informa.

Atualmente, o Redome está sob coordenação do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Rio de Janeiro, e tem mais de quatro milhões de doadores cadastrados, sendo o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo e o maior banco com financiamento exclusivamente público.

O transplante de medula óssea é um tipo de estratégica terapêutica proposta para algumas doenças que afetam as células do sangue, como leucemia e linfomas. Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

“Quando se fala em transplante de medula óssea, para um paciente que não possui doador compatível na família, o Redome assume um papel imprescindível nessa procura. Segundo o Inca, a chance atual de um paciente encontrar alguém compatível nas análises preliminares cresceu em 64%”, esclarece a médica. Assim, quanto mais pessoas cadastradas, maior a chance de encontrar um doador.

Por isso, o Hemopa trabalha constantemente para conscientizar a população sobre a importância do Redome. O Pará já é campeão da região Norte em relação ao número de doadores cadastrados, com mais de 100 mil voluntários, seguido de Rondônia (92 mil) e Tocantins (37 mil). “Há anos o Hemocentro vem orientando a população quanto à importância do cadastro de medula óssea, seja por meio de campanhas ou de material institucional, seja no ato da doação de sangue. Graças a essa rotina fomos capazes de alavancar o nosso cadastro. Mas ainda há muito trabalho a ser feito. O Norte ainda está atrás das regiões Sudeste, Sul e Nordeste”, ressalta Ana Luiza.

De janeiro a junho deste ano, o hemocentro atendeu a 154 solicitações do Redome, ou seja, foram identificadas 154 pessoas, que se cadastraram pelo Hemopa, como compatíveis com pacientes que necessitavam de transplante. Sendo que nove dessas amostras foram enviadas para os Estados Unidos (Flórida, Califórnia, Nova Iorque), Espanha, França e Uruguai.
De acordo com a biomédica da Fundação, Kennie Amazonas, o Registro atua articulado com bancos de sangue internacionais. “Isso possibilita que se faça busca de doadores compatíveis no exterior e que outros países também acessem os bancos de sangue brasileiros. Portanto, a busca por doadores para pacientes brasileiros é realizada simultaneamente no Brasil e no exterior", explica.

Apesar das mais de 150 indicações de compatibilidade de doadores paraenses, no primeiro semestre foram realizados dois transplantes de medula óssea com doadores do Redome cadastrados pela Fundação Hemopa. Isso ocorre porque o procedimento é muito complexo e depende de outros fatores, que não apenas a compatibilidade.

“Para a realização desse transplante, são necessárias três etapas de exames de histocompatibilidade. A primeira ocorre logo quando um voluntário faz sua inscrição do Redome. A amostra de sangue dele passa por um exame chamado de tipificação (HLA), que identifica as características genéticas de cada indivíduo. Quando é identificada uma possível compatibilidade com um paciente, é realizado um segundo exame e, por fim, a tipagem confirmatória”, esclarece a biomédica.

Também de janeiro a junho de 2017, o Hemopa recebeu 69 novos pacientes com possível indicação para transplante de medula óssea. Em média, todos os anos, esse número é de 95 solicitações. "Como é possível identificar, “neste ano o número vai superar a estimativa. Provavelmente porque o fluxo no estado está mais eficiente no encaminhamento para o transplante de medula óssea”, completa Kennie.

Como é feito o transplante: Muita gente não se cadastra por medo da coleta do sangue para o transplante. Essa é a conclusão de Ana Luiza Meireles em relação ao mito de que o produto é retirado da coluna do doador. 

“Existem duas formas de captar células progenitoras hematopoiéticas do doador para transferir ao receptor. Uma é por meio de um processo muito parecido à doação de sangue, após estímulo feito com medicamentos específicos. Outra forma é por punção direta do osso do quadril, em um procedimento realizado no centro cirúrgico, sob anestesia”, informa a médica.

Ela ressalta que o transplante ocorre em centros credenciados pelo Ministério da Saúde e que o risco é mínimo. Logo após o procedimento, o doador já está apto a retornar a sua residência. “O que é retirado é o tecido líquido que se encontra dentro dos ossos, conhecido popularmente como ‘tutano’, e calculado, caso a caso, de acordo com o peso do paciente que será transplantado. Este material será preparado para ser infundido no receptor da mesma forma que ocorre uma transfusão de sangue”.

Cadastro: Para integrar o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) o voluntário deve comparecer ao Hemopa, em Belém ou em um dos hemocentros regionais espalhados pelo estado, portando documento oficial original e com foto. O doador deve ter entre 18 e 55 anos, estar em bom estado de saúde e não ter nenhuma doença infecciosa ou incapacitante. 

O cadastro pode ser feito juntamente com a doação de sangue, de onde é retirada uma pequena amostra para compor o banco do Redome. É imprescindível que o voluntário mantenha seu o cadastro atualizado.
Por Jaqueline Menezes - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário