segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Política de valorização do servidor do Governo do Estado garante promoções a militares

Os militares do Estado têm muito a comemorar no dia do aniversário da Polícia Militar, que faz 199 anos nesta segunda-feira, 25. A política do governo de valorização do servidor público vem garantindo, ao longo dos anos, a promoção de praças e oficiais da PM e também do Corpo de Bombeiros. Mais do que aumento de salário, para o militar a ascensão profissional representa o reconhecimento pelo trabalho executado na segurança pública a serviço da população. Somente na PM, mais de dois mil militares foram promovidos em 2017, entre eles 1.714 praças.

Em 2016, 2.890 militares alcançaram a promoção, dos quais 235 oficiais e mais de 2,6 mil praças. As promoções na Polícia Militar ocorrem duas vezes por ano, em 21 de abril, no Dia de Tiradentes – patrono das Polícias Militares do Brasil – e por ocasião do 25 de setembro, aniversário da corporação. Nesta segunda, 63 oficiais e 1.373 praças serão promovidos.

Mais de dez mil policiais militares foram capacitados em cursos ou treinamentos entre 2015 e 2017. Hoje, a PM do Pará conta com mais de 15 mil homens e mulheres prontos e capacitados para servir à população. Outros 2,2 mil militares ingressaram na corporação por meio do último concurso, de 2016. 

Eles iniciam em outubro o curso de formação e, em até nove meses, estarão aptos para atuar no policiamento. “Tanto para o policial quanto para a instituição, a progressão funcional programada é de suma importância, pois ela valoriza e motiva o policial no exercício da sua atividade”, diz o comandante geral da PM, coronel Hilton Benigno.

Para o comandante, a política de promoção, mesmo em meio à crise econômica, é uma decisão acertada do governo. “Isso é uma demonstração inequívoca do governador Simão Jatene, como comandante em chefe da força, em valorizar e motivar cada vez mais o policial militar, que é um verdadeiro herói nesse contexto social que vivemos atualmente”, reconhece Benigno.

Conquistas
Para quem veste o uniforme da PM, participar da corporação e da batalha de levar segurança à população é uma vitória que se comemora diariamente. A tenente coronel Andréa Keyla Leal Rocha, 38, foi promovida este ano, em abril. Precoce, ela entrou na força aos 16 anos, influenciada pela família. E lá se vão mais de duas décadas servindo com a mesma dedicação de sempre. Para ela, ser policial militar é uma alegria e a certeza de estar cumprindo a missão assumida em prol dos mais necessitados.

“A carreira na PM me deu tudo o que tenho de bom na vida e no profissional. Sou uma mulher realizada e plena. Conheci meu marido na corporação e obtive grandes conquistas como policial. As promoções que recebi ao longo do serviço para mim representam o reconhecimento de que estou executando bem o meu trabalho dentro da instituição”, diz Andréa Keyla, que depois de atuar 18 anos na área operacional, hoje faz parte do departamento responsável pela política e planejamento de inteligência – função de maior responsabilidade, porque norteia as ações da PM na rua, em operações, por exemplo.

No Corpo de Bombeiros, a valorização do militar também é constante. Nos últimos três anos, foram 1.879 promoções, 1.669 de praças e 210 de oficiais. “Considerando que nosso efetivo total é composto por 3.186 bombeiros militares, isso implica dizer que mais de 60% do nosso quadro funcional foi promovido nesta gestão”, destaca o comandante geral do Corpo de Bombeiros, coronel Zanelli Nascimento. Assim como na PM, as promoções nos Bombeiros ocorrem duas vezes ao ano, em abril e setembro.

“Não são todos os Estados que promovem seus militares. Essa é uma prerrogativa do governador. O Pará mantém essa diretriz porque trabalha com a política de valorização do servidor. Quem ganha com isso, além do militar, é a população. Militares motivados prestam melhor serviço na área de segurança pública”, avalia o comandante geral dos Bombeiros, salientando que a progressão funcional também representa mais qualidade de vida ao servidor e sua família. 

“As equipes de planejamento do Estado analisam a situação financeira do governo e dizem até onde podemos promover nossos militares. Até porque essa ascensão profissional gera um impacto significativo na folha de pagamento”, explica.

Quem recebe a progressão funcional nesta segunda-feira, 25, e muda de patente é o capitão Arthur Arteaga, 33 anos. Integrante da primeira turma de oficiais dos Bombeiros formada no Estado, ele ingressou na corporação em 2004. Sempre serviu na região metropolitana de Belém, onde já testemunhou fatos históricos. 

A primeira ocorrência da qual participou foi um incêndio na fábrica da Ortobom na BR-316, em Ananindeua, poucos meses depois de integrar a corporação. Ele também esteve no atendimento às vítimas do desabamento do edifício Real Class, em 2011, em Belém.

Hoje atuando como subcomandante do 21º Grupamento Bombeiro Militar, Arteaga atua com senso do dever de atender a população. A promoção, para ele, além do reconhecimento pelo trabalho, significa mais responsabilidade e dedicação. “Quando assumimos uma patente maior, devemos estar prontos para cumprir as tarefas que se apresentarem. Sem dúvida ser promovido é motivo de alegria, porque é uma motivação a mais, ms traz também uma série de reflexões. 

Temos de olhar sempre para trás e perguntar se demos o nosso melhor. Só assim a promoção faz sentido”, diz Arthur, que a partir desta segunda passa a ser major bombeiro.
Por Luiz Carlos Santos - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário