sábado, 30 de dezembro de 2017

Na Sacramenta, em Belém, presidiário é morto durante indulto de natal

Homem estava com alvará de soltura no bolso quando foi assassinado com dois tiros. Paulo Vitor dos Santos Souza estava com a alvará de soltura no bolso quando foi morto, na tarde de ontem (29), no bairro da Sacramenta, em Belém. Segundo a polícia, ele foi recentemente beneficiado com a saída temporária, concedida durante as festas de fim de ano. E nesse período fora da cadeia estava roubando. O homem tentou escapar da morte, mas foi perseguido e morto a tiros na passagem Senador Lemos, próximo à Ponte do Galo. Depois de ferido, a vítima ainda pediu socorro aos moradores das proximidades, mas não resistiu a gravidade dos ferimentos e morreu em via pública. 
Segundo o sargento Cesar do 1º Batalhão da Polícia Militar, o homem cometeu um roubo e por conta disso, passou a ser perseguido. A vítima correu, mas não escapou do assassino. "As informações são de que ele cometeu um assalto na passagem Rosa Moreira. Em seguida, ele correu e passou pela Pedro Alvares Cabral, passou pela passagem São Marcos, dobrou no canal até chegar aqui, na passagem Senador Lemos. Quando chegou aqui ele já estava ferido pelos disparos de arma de fogo. Pediu socorro aos moradores", explica.

Os moradores ouviram o lamento de Paulo Vitor Santos Souza e chamaram por uma ambulância. No entanto, quando a equipe de resgate do SAMU chegou ao local, a vítima já tinha evoluído a óbito, depois de ser atingido por disparos de arma de fogo, pelas costas. 

Quando a viatura da Polícia Militar chegou o homem já estava sem vida e o perímetro foi isolado até a chegada da equipe de peritos criminais do Centro de Perícia Cientifica Renato Chaves (CPC). 

A Polícia Militar informou ainda que só foi possível identificar a vítima porque ela carregava no bolso o alvará de soltura, que indicava o seu nome e a data em que saiu em liberdade. Paulo Vitor usava uma tornozeleira eletrônica e deixou a cadeia na semana passada, em virtude da concessão da saída temporária, aos presos de bom comportamento, para que eles vivenciem as festas de final de ano ao lado da família. 

Apesar dos relatos de várias testemunhas que presenciaram a tentativa de fuga da vítima, ninguém conseguiu descrever a pessoa que perseguiu Paulo Vitor. Uma equipe da Divisão de Homicídios da Polícia Civil, chefiados pela delegada Cristina Esteves, está a frente das investigações. Por enquanto, não há pistas sobre a autoria do crime. (ORM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário