quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

HRBA avança em alta complexidade e fecha 2017 com mais de 4.600 cirurgias

O resultado do acidente do marchante Laurimar Santos Gomes, de 38 anos, foi um punho fraturado em três partes e duas cirurgias realizadas no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA). “O atendimento aqui é nota 10. O procedimento foi ótimo, realmente os profissionais estão de parabéns. Como esperado, somos muito bem atendidos”. Agora, Laurimar realiza sessões de Fisioterapia para restabelecer os movimentos naturais do corpo. Todo o tratamento é realizado no HRBA, que em 2017 realizou 4.627 procedimentos cirúrgicos. Desse total, 997 foram de Ortopedia e Traumatologia.
 O número supera o dos anos anteriores e mostra a constante evolução na prestação de serviços da unidade à população dos 21 municípios da região. Em 2010, por exemplo, a unidade realizou 3.213 cirurgias. Comparando ao total de 2017, o número cresceu 44%. Além de aumentar o volume dos procedimentos realizados, o HRBA agregou mais serviços de alta complexidade, como transplantes renais, e iniciou os programas pilotos de cirurgias bariátricas e cardíacas.

Em 2017, foram realizadas quatro bariátricas (redução de estômago). Em caráter piloto, esses foram os primeiros procedimentos realizados no Oeste do Pará, para que, futuramente, o programa definitivo seja implantado. A jovem Andréia Freitas, de 25 anos, foi uma das beneficiadas com o procedimento. 

“Eu recorri à cirurgia porque estava precisando, a minha saúde estava debilitada. Até mesmo o médico disse que eu não poderia ter filho com o peso que eu estava”. A jovem pesava 116 quilos à época da cirurgia, dia 31/3/. Em menos de nove meses, Andréia já perdeu 37 quilos.

Referência em atendimentos de alta e média complexidades, o HRBA realizou 253 neurocirurgias, além de 395 cirurgias oncológicas. Os dois serviços são essenciais para a promoção da saúde no interior do Estado, juntamente com o programa de transplantes, que teve sua consolidação em 2017, com 11 procedimentos.

O jovem Wilmar da Silva, de 27 anos, que fez sessões de hemodiálise por dez anos, foi um dos transplantados na unidade. O rapaz morava em Rurópolis, quando descobriu que tinha insuficiência renal. “Na época, eu fiquei chocado, porque para mim, eu era bom, não tinha problemas. Depois, eu tive que ficar em Santarém, acostumar com a nova realidade. Agora, é só alegria daqui para frente”, festejou na época da cirurgia, realizada em julho passado.

Rosenildo Simão Silva, de 40 anos, está em fase final de recuperação da cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior. “Desde os primeiros procedimentos eu não tenho do que reclamar. O atendimento é excelente. E agora, na parte de Fisioterapia também segue sem nenhum tipo de problema”, afirma Rosenildo, que vai realizar 40 sessões.

O Hospital Regional do Baixo Amazonas foi a primeira instituição pública de saúde da Região Norte a conquistar o certificado máximo de qualidade, a ONA 3 – Acreditado com Excelência. A unidade pertencente ao Governo do Pará e é gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato  com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Para o diretor-geral do Hospital Regional, Hebert Moreschi, os números comprovam o avanço dos serviços e a excelência dos tratamentos realizados. “Em 2017, o hospital consolidou serviços importantes, como a realização de transplantes, e iniciou a estruturação de novos serviços que vão beneficiar, e muito, toda a população do Oeste do Pará. 

É inegável a importância que o HRBA tem para a população e a preocupação que temos em sempre proporcionar um atendimento seguro e de qualidade”, finaliza Moreschi. (Joab Ferreira - Pró - Saúde))

Nenhum comentário:

Postar um comentário