coluna 3

Coluna 2

Coluna 1

sábado, 2 de junho de 2018

Colômbia e escritor Age de Carvalho são os homenageados da Feira do Livro que abre neste sábado (02)

Até o próximo dia 10 de junho, o Hangar Convenções e Feiras da Amazônia sedia a XXII edição da Feira Pan-Amazônia do Livro, o maior evento de fomento à leitura das regiões Norte e Nordeste do Brasil. A programação inicia hoje, 2, às 10h30, com a Conferência de Abertura “Colômbia Renasce”, alusiva ao país homenageado. O escritor patrono do evento, Age de Carvalho, também participa de dois encontros, um sábado, sobre sua poesia e história, e outro no domingo, que aborda a atuação do autor como artista gráfico. A expectativa é que 40 mil pessoas circulem pela feira diariamente. A entrada é gratuita.


Para homenagear o patrono, será realizada a exposição “Age de Carvalho: Todavida, todavia”, e lançado o “Todavida”, livro que traz uma coletânea de trabalhos inéditos, assim como toda a trajetória do autor. A Colômbia também terá uma mostra visual no estande da Secretaria Estadual de Cultura (Secult), com trabalhos de pintura, murais, grafites, fotografias e shows com música colombiana nos dez dias de feira. Obras de diversos autores do país homenageado também poderão ser encontradas no local.

Neste primeiro final de semana, haverá a participação do renomado escritor português Walter Hugo Mãe, e da autora colombiana Laura Mendinueta. Ambos participarão do Encontro Literário de sábado (2) e domingo (3), respectivamente, às 19h, no auditório Dalcídio Jurandir. Também faz parte da programação deste final de semana um seminário com Sandra Suéscum, coordenadora das bibliotecas da Colômbia, que vai falar da importância da biblioteca, da leitura e do saber.

“A partir de segunda-feira, até o dia 8, teremos encontros com escritores paraenses, sempre valorizando a cultura local. Estarão conosco em rodas de conversa três escritores por dia, sempre com uma temática diferente, trazendo um pouco da sua vida e obra literária”, afirmou Andressa Malcher, da coordenação da Feira.

Para o titular da Secult, Paulo Chaves, a união de várias instituições do Governo Estadual foi o que garantiu a realização da Feira. “A quantidade de livros que estava presa no caminho de São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro para cá, era desanimador, mas eu achei que nós poderíamos desafiar o destino. Convocamos alguns setores do Governo, o Comitê organizador da feira, e chegamos à conclusão que valia a pena arriscar. 

Adiamos um dia, mas vamos virar noite e madrugada para ela começar amanhã. Então graças a essa união de esforços, a essa harmonia entre os vários setores do Governo do Estado, a gente vai realizar o que vai ser uma grande Feira do Livro, com uma programação cultural que vai ser impecável também”, afirmou.

Escritores paraenses
Mesmo com a paralisação dos caminhoneiros, a Feira será realizada. No total, são 131 empresas participando diretamente do evento, com cerca de 300 empregos diretos. São aproximadamente R$ 4 milhões de reais em Credlivro para cerca de 20 mil servidores de 10 regiões do estado. Além disso, o estande de escritores paraenses já soma 300 autores de 14 municípios.

Cláudio Cardoso, autor e coordenador do espaço há 7 anos, afirma que serão quase 18 mil livros no estande. “Serão de 1.200 a 1.300 títulos disponíveis para venda. Tem autor que tem 20 títulos”, afirma o autor.

“Mostra Pan-Amazônica de Música”
Uma das novidades da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro será a “Mostra Pan-Amazônica de Música”, que reunirá segmentos musicais da Pan-Amazônia, como os merengues, as salsas, os zouks, as guitarradas. Mestres do estilo participarão da mostra.
Logo na abertura da Feira um show com a Amazônia Jazz Band homenageará a música colombiana com a matriz caribenha, que muito influenciou a música brasileira.

Pan na Escola
Desde o mês de março, quatro escritores paraenses estão sendo estudados por estudantes de escolas públicas. Neste ano, os escritores Daniel Leite, Alfredo Garcia, Rosângela Darwich e Juraci Siqueira são os autores estudados.

A partir do sorteio dos autores que serão homenageados, começam as atividades nas escolas. Os professores passam a abordar a vida e obra desses autores e desenvolvem vários trabalhos envolvendo os alunos. A culminância é na gincana, quando os alunos testam conhecimentos sobre os autores paraenses.

Também trabalhado com três meses de antecedência o projeto Pan da Escola leva às escolas a obra de escritores que estarão presentes na XXI Feira Pan- Amazônica do Livro.
Os professores realizam estudos em cima dos autores e durante a Feira os trabalhos são apresentados ao público. Os autores também realizam uma visita nas escolas tendo contato com as interpretações realizadas pelos alunos, debatendo e respondem às duvidas dos estudantes. “É um momento muito rico de troca de experiências no próprio ambiente de estudo dos alunos”, comenta.

Serviço:
XXII Feira Pan-Amazônica do Livro
Local: Hangar Convenções e Feira da Amazônia
1 a 10 de Junho
10 às 22 horas
Site: www.feiradolivro.pa.gov.br
Por Natália Mello - Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário