sábado, 29 de setembro de 2018

Paysandu perde para o Goiás dentro da Curuzu e fica na zona de rebaixamento

Duas falhas do goleiro Renan Rocha foram decisivas para o Paysandu, que voltou a perder na Série B do Campeonato. O algoz foi o Goiás, que venceu pelo placar de 3 a 2. Os gols da partida foram de Lucão, Rafinha, Giovanni pelo lado goiano, sendo que Thomaz e Maike descontaram para os bicolores. A derrota é justa para uma equipe que apresentou diversos problemas individuais, que suplantaram qualquer organização coletiva. O tropeço mantém o Papão na zona de rebaixamento, afundado na 17ª posição, e há apenas nove rodadas do término da competição. Na próxima terça-feira, 02/10, o Papão vai desafiar o CSA, em Maceió, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Se perder novamente, o cenário ganha contornos dramáticos para o único representante paraense na competição. 
 Saiba como foi a partida lance a lance!
Deu branco defensivo 
Antes do confronto, o atacante Hugo Almeida chegou a falar que o Paysandu tinha qualidade para lutar na parte de cima da tabela. Ficou no falatório. Sem qualidade, sequer o diferencial dos passes de Thomaz e Pedro Carmona, o Paysandu foi um esboço de time competitivo. Até esteve bem posicionado. 

Mas, contava quase que exclusivamente com uma única alternativa: o avanço dos laterais, sobretudo, a voluntariedade de Maicon Silva. 
Mas, a estratégia se mostraria insuficiente para encarar um adversário do G-4. E se não bastasse, ainda há o azar de quem vive fase irregular, aliada a falta de competência defensiva. 

O zagueiro Fernando Timbó teve uma péssima jornada. E um dos seus principais erros, além dos passes errados e finalizações precipitadas, foi o de não marcar em cima o habilidoso Lucão. Um corte seco para o lado, um chute preciso, somado ao posicionamento equivocado do goleiro Renan Rocha e estava consolidado o cenário do gol goiano. Golaço é verdade, mas que contou com as falhas de Timbó e Renan Rocha.   

O golpe 
Nos demais lances do primeiro tempo, os laterais caíram de rendimento, Carmona e Thomaz continuaram pouco ou nada efetivos e só restou a raça de Hugo Almeida. Forte, voluntarioso, o atacante bicolor confrontava com dois, três zagueiros e obtinha vantagem. Frequentemente, ele saiu da área para tentar resolver o principal problema: a pobreza técnica no setor de meio-campo. E deu certo. Aos 34 minutos, Hugo cruzou uma bola sensacional, tirando do zagueiro e do goleiro, e Thomaz só teve o trabalho de empurrar a bola para dentro. 

O gol animou o Papão. Pedro Carmona, que justiça seja feita, não se esquivou de nenhuma jogada, embora estivesse errando em demasia, finalizou uma bola cruzada que assustou o goleiro Marcos. Thomaz, mais confiante após o quarto gol marcado na Série B, passou a arriscar o lance individual, como é o seu estilo. No entanto, a bagunça defensiva voltou a imperar. 

Mike marcou displicentemente, levou dois 'balões' de Alex Silva, e a bola parou nos pés do Maranhão (foto abaixo). A assistência lateral foi concluída, com perfeição, por Rafinha. Nos acréscimos do primeiro tempo, os bicolores reclamaram de um pênalti após lance de bola parada. A bola bateu na mão do defensor, mas o juiz alegou toque involuntário.    

Goleiro falha  
Apenas um minuto de jogo para o cenário ficar pior. Renan Rocha voltou a falhar. Giovanni cobrou escanteio, fechado, mas uma bola aparentemente simples. O goleiro, porém, não conseguiu afastar o perigo. Gol olímpico para acabar, de vez, com o jogo e a confiança bicolor. Só restou aos bicolores lutar contra as próprias limitações. Insistir em bolas na área foi a principal alternativa. 

Até que Mike aproveitou uma bobeira da zaga, roubou a bola, conduziu e tocou no canto esquerdo do goleiro para marcar o segundo gol do time paraense. A força ofensiva se dissipou rapidamente e o Goiás, com calma, dominou o jogo, à despeito do desespero paraense.   

Diego Ivo de atacante 
Romarinho substituiu Thomaz, e jogou por cerca de 15 minutos. Esteve mais ligado, mais ousado, no entanto, o problema no último passe persistia. Uma medida desesperada de João Brigatti, e que dá um tom das dificuldades do plantel montado, foi a entrada do zagueiro Diego Ivo posicionado como um legítimo atacante. Ivo conseguiu uma assistência, de cabeça, e Hugo Almeida parou na trave esquerda. É assim, bagunçado, com os meias errando, com zagueiro de atacante, que o Paysandu patina na Série B do Brasileirão.    

Ficha técnica (Paysandu 2 x 3 Goiás)
Paysandu - Renan Rocha; Maicon Silva, Perema, Fernando Timbó e Diego; Nando Carandina, Renato Augusto (Alan Calberg), Thomaz (Romarinho) e Pedro Carmona (Diego Ivo); Mike e  Hugo Almeida. Técnico: João Brigatti 
Goiás -  Marcos; Alex Silva (Caíque Sá), Victor Ramos, Edcarlos e Ernandes; Gilberto Junior, Giovanni, Léo Sena e Rafinha ; Maranhão (Robinho) e Lucão (Júnior Viçosa). Técnico: Ney Franco  
Local: Estádio Curuzu
Horário: 19h15
Gols: Lucão 8 minutos do primeiro tempo, Thomaz aos 34 minutos do primeiro tempo; Rafinha aos 41 minutos do primeiro tempo; Giovanni um minuto do segundo tempo; Mike aos 22 minutos do segundo tempo. 
Cartões amarelos: Mike, Romarinho (PSC) 
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo - AB/RJ
Assistentes: Luiz Claudio Regazone - AB/RJ e Carlos Henrique Cardoso de Souza - AB/RJ
Público: 6.635 (3.839 pag., 1.330 cred. e 1.446 sócios)

Renda:
R$ 86.610,00
(ORM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário