Coluna 1

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

População de Belém e Ananindeua teme represália após morte do Gordo do Aurá

Circula nas redes sociais uma conversa que aponta confronto contra policiais e políticos.
 Vários moradores da Região Metropolitana de Belém (RMB) - especialmente dos bairros da Pedreira, em Belém, e bairro do Aurá, em Ananindeua - estão apavorados com possíveis represálias por causa da morte do vereador de Ananindeua, Deivite Wener Araújo Galvão, mais conhecido como "Gordo do Aurá". Um vídeo gravado por câmeras de segurança registrou o momento da emboscada na Pedro Miranda.
Uma conversa circula nas redes sociais apontando possível confronto contra policiais e políticos, o que reforçou o medo de alguns cidadãos. Algumas pessoas comentaram que seria melhor não sair de casa durante a noite.
 Leia mais:
Deivite Galvão foi morto a tiros, enquanto se deslocava, acompanhado da esposa, em um veículo pela Avenida Pedro Miranda, no bairro da Pedreira, em Belém, na tarde desta quinta-feira (21).
Após dar entrada no Hospital Pronto-Socorro Municipal Mario Pinotti, no bairro do Umarizal, não resistiu aos ferimentos e morreu minutos depois. Os responsáveis pelo crime ainda não foram identificados.

Ameaças no WhatsApp

Um dos motivos que provocou pânico é uma imagem de uma conversa privada que está circulando nas redes sociais. Um número não identificado afirma que "agora é guerra" e que já foi dada uma "ordem" para matar 50 policiais.
Há, inclusive, ameaças contra o governador do Estado e contra o deputado federal Éder Mauro. Em resposta a essa mensagem, outro perfil não identificado afirma que "o alerta foi dado" e que a "caça já começou no Aurá".
Em sua conta no Facebook, o vereador sargento Silvano Oliveira da Silva publicou a imagem e disse que é voluntário nessa guerra, "convidando" o comandante geral da Polícia Militar, Coronel Dilson Jr, o delegado geral da Polícia Civil, Alberto Teixeira, para ir "pra cima desses vermes".

Nenhum comentário:

Postar um comentário