Coluna 1

quarta-feira, 13 de março de 2019

Mais de 50 casos de meningite são confirmados no Pará

De 1º de janeiro a 9 de março deste ano foram registrados 216 suspeitos de meningite em todo o Pará. Desse total, 52 casos, o equivalente a 24%, foram confirmados. A informação foi divulgada  pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).
Segundo a chefe de Divisão de Vigilância Epidemiológica da Sespa, Martha Brasil da Nóbrega, o quantitativo não caracteriza surto da doença. "Esses casos não se caracterizam como surto porque são tipos diferentes de meningite, ou seja, doenças diferentes. Além disso, os pacientes e os locais onde os casos foram registrados não possuem relação entre si", explica. Dos 52 casos informados pela Secretaria, sete levaram à morte do paciente, sendo cinco por meningite por outras bactérias, um por meningite pneumocócica e um por meningite viral. 
Leia também - Morre um dos netos de Lula após suspeita de meningite
Dos casos confirmados, 11 foram classificados como doença meningocócica, o que corresponde a 21,15% do total de casos confirmados pela forma mais grave da doença. Os demais 41 casos foram confirmados para outros tipos de meningite: 17 para meningite bacteriana, 12 para meningite não especificada, nove de meningite viral e três de meningites por outras etiologias.

Em 2018, segundo a chefe da Divisão, foram registrados cerca de 400 casos confirmados em todo o ano. "Os casos de meningite ocorrem principalmente no início do ano devido ao período de chuvas, por isso, é normal ter mais ocorrências". Em nota, a Sespa informou que dentre os municípios com maior número de casos da doença meningocócica, destacam-se: Belém com sete casos, Ananindeua com quatro, Tomé-Açu com dois, Barcarena e Aurora do Pará com um caso cada.

A representante da Sespa explica que a doença pode ser evitada com vacinas, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). "São quatro vacinas que agem contra a doença, dentre elas a BCG, que imune contra a meningite tuberculosa. Cada uma possui sua especificidade, principalmente quanto a faixa etária. 

A meningite é uma inflamação das meninges que ficam abaixo do crânio e é uma doença de transmissão respiratória", explica. Martha Brasil da Nóbrega, que orienta ainda que, em casos de suspeita da doença, o paciente deve ser levado imediatamente ao médico. "Os sintomas são febre, dor de cabeça, enjoo, entre outros similares a outras doenças, por isso, é necessário que a procura pela médico seja precoce", pontua. 

Segundo a especialista, as crianças são consideradas como grupo de risco, por isso, o cuidado deve ser redobrado. "Os responsáveis precisam checar a carteira de vacinação e verificar se todas as vacinas estão em ordem, caso não estejam, é preciso que procurem a Unidade de Saúde mais próxima para regularização e orientações", orienta.  

ÓBITO EM ANANINDEUA
Na manhã da última segunda-feira (11), uma jovem de 19 anos, identificada como Camila da Silva Coelho, morreu sob suspeita confirmada de meningite bacteriana na Unidade de Pronto Atendimento Mariguella, no bairro do Aurá.

A Sespa informou que o município de Ananindeua notificou 19 casos da suspeita esse ano e quatro foram confirmados. O órgão afirma que não se trata de surto, como preconizado pelo Ministério da Saúde. Desse total, um corresponde a um caso por meningite tuberculosa, um de meningite por outras bactérias e dois casos por meningite não especificada. 
 
A secretaria informou que são realizadas ações da vigilância epidemiológica em cada município. Feitos acompanhamentos semanais dos casos suspeitos com o objetivo de detecção precoce de possíveis casos; avaliação médica e coleta de exames precoces em casos de suspeita da doença; educação em saúde com informações sobre os sintomas e a divulgação de notas técnicas da meningite entre profissionais de saúde. (Vanessa Van)

Nenhum comentário:

Postar um comentário